Giralde

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 61 (15132 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO


“MÉTODO GIRALDI” ®

“TIRO DEFENSIVO NA PRESERVAÇÃO DA VIDA”, “MÉTODO GIRALDI”,
E SUA “DOUTRINA PARA A ATUAÇÃO ARMADA DA POLÍCIA E DO POLICIAL
COM A FINALIDADE DE SERVIR E PROTEGER A SOCIEDADE E A SI PRÓPRIO” ®

APRESENTAÇÃO


AUTOR:- Cel PMESP GIRALDI


(Registrado e publicado – Direitos autorais reservados)Com metodologia e apoio do “Comitê Internacional da Cruz Vermelha”, através de Comissão Especial Oficial, este documento integrou, de forma transversal, as “Sete Normas Internacionais de Direitos Humanos Aplicáveis à Função Policial e Função Policial Armada”; os “Princípios da Carta da ONU para o Assunto”; as “Diretrizes Internacionais de Direito Internacional dos Direitos Humanos”; as“Convenções e Tratados Internacionais” dos quais o Brasil é signatário; em especial as constantes do seu glossário.
Está, também, totalmente de acordo com as “Leis”, a “Realidade” e a “Política Policial” Brasileira. Com as dificuldades financeiras da maioria das Polícias Brasileiras.



01. Ambiente de trabalho da Polícia Brasileira
A Sociedade Brasileira convive com o quadro de maior violênciado mundo, donde se conclui que a Polícia Brasileira trabalha dentro do quadro de maior violência do mundo; e ambas são vítimas dessa violência.
A cada 15h. um policial brasileiro é assassinado em serviço sem contar os que, também vítimas dos agressores, vão terminar seus dias numa cadeira de rodas ou amparados por um par de muletas. Isso não ocorre em nenhum outro país.
Policiais depaíses de primeiro mundo, que tomam contato com essa violência, afirmam que não teriam condições de atuar aqui, e que não sabem como o Policial Brasileiro consegue.
E, mantido o atual quadro, a tendência dessa violência é aumentar.
A Polícia Brasileira não atua nas causas dessa violência, mas nas suas conseqüências, e, raramente nos seus estímulos, sendo o principal deles aimpunidade. No nosso País apenas 1% dos autores de homicídios, roubos e estupros cumprem pena. Culpa das autoridades? Não, das leis!
Boa parte das leis penais e processuais brasileiras não está à altura das necessidades da sociedade.
O sistema criminal brasileiro é velho, ultrapassado, lento; deixa muito a desejar.
O sistema carcerário brasileiro também é velho e ultrapassado. Boa partedos nossos presídios são verdadeiras escolas de aperfeiçoamento do crime.
O Brasil deveria ter em torno de 1,5 milhões de criminosos encarcerados; tem apenas em torno de 330.000 para mais ou menos 230.000 vagas carcerárias advindo, daí, a superlotação que tanto transtorno tem causado a todos. Dentro de cinco anos teremos o dobro de encarcerados e metade das vagas necessárias; será o caos.“Manter os lobos soltos é penalizar as ovelhas”.
Então cai tudo sobre a polícia como se ela fosse a única responsável pelo combate e controle da violência no País, quando, na realidade, a polícia é apenas uma das engrenagens para combater essa violência e não a única como pensam muitos.
Assim, podemos dizer que a “Polícia Brasileira enxuga o chão com as torneiras abertas”, pois, elanão atua nas causas e nos estímulos da violência; mas nas suas conseqüências.
Além disso, o efetivo de todas as polícias brasileiras está aquém do necessário. A ONU recomenda 1 policial na atividade fim para cada 250 habitantes. Nova Iorque, tida como modelo e exemplo no controle da violência, tem 1 policial para cada 180 habitantes. O Brasil em torno de 1 policial por 600 habitantes,existindo bolsões onde chega a 1 por 5.000. Faltam-lhes, ainda, materiais e tecnologia de ponta, inclusive armas de fogo próprias para polícia (nenhuma polícia brasileira as tem de acordo com as suas necessidades). Faltam leis que dêem sustentação ao seu trabalho. Muitas vezes falta motivação aos seus integrantes.
Exigem muito das polícias, mas nem sempre lhes dão os meios, o apoio e as...
tracking img