Eco-92 geografia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3681 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 15 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
COLÉGIO GUARAPIRANGA
DISCIPLINA: GEOGRAFIA















ECO-92


por

Felipe C., Gustavo D., Júlio, Leonardo e Mariana


















São Paulo
2010
SUMÁRIO





1 INTRODUÇÃO 2

2 DESENVOLVIMENTO 3
2.1 ECO-92 3
2.2 DECLARAÇÃO DO RIO 4
2.3 AGENDA 21 5
2.3.1 A RIO+56
2.3.2 A RIO+10 6
2.4 CONVENÇÃO DA BIODIVERSIDADE 7
2.5 DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DAS FLORESTAS 8
2.6 CONVENÇÃO DO CLIMA 10
2.7 FINANCIAMENTOS 10
2.8 FÓRUM GLOBAL 12
2.9 UM NOVO MUNDO 13

3 CONCLUSÃO 14

4 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 15INTRODUÇÃO

Em junho de 1992, chefes de Estado de todos os países se reuniram no Rio de Janeiro, para tratar dos problemas do Planeta Terra. Evidentemente, os interesses dos diferentes países entraram muitas vezes em conflito. Nesta pesquisa, discutiremos os pontos polêmicos, as questões em pauta na Conferência e os resultados que a ECO ou RIO-92 alcançou.DESENVOLVIMENTO

1. ECO-92

Sucesso ou fracasso? As opiniões sobre os resultados da Eco 92, a Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada no RJ de 3 a 4 de junho de 1992, variaram bastante, conforme a expectativa e o ângulo de visão de cada um. Os mais pragmáticos que esperavam sair do evento com medidas concretas,decepcionaram-se. O desabafo do então secretário brasileiro do Meio Ambiente, José Goldemberg, resumiu bem esse estado de espírito: “Discutiu-se muito semântica deixando de lado as questões que realmente importavam: metas e compromissos. O texto aguado das declarações do Rio e das Florestas são exemplos dos pontos negativos desta conferência; foram feitas tantas concessões diplomáticas para que essestextos pudessem ser finalizados, que perderam a força”.
Ao mesmo tempo, examinando-se a questão por outro ângulo a Rio-92 (como preferiram chamá-la a imprensa e o governo do estado do Rio de Janeiro), pelo simples fato de realizar-se, foi um sucesso.
Afinal, conseguir a adesão de 178 países e fazer que mais de 100 chefes de estado e de governo, 6.000 delegados oficiais, 8.000jornalistas e cerca de 30.000 representantes de organizações não governamentais cruzassem o mundo para participar de uma discussão sobre o meio ambiente foi um fato sem precedentes.
A Eco-92 representou um marco por diversos outros motivos. Foi o primeiro exemplo de entendimento e cooperação em escala realmente planetária. A adesão maciça dos governos e a mobilização da opinião públicademonstraram a cristalização da consciência a respeito de uma ameaça comum a toda a humanidade. Reconheceu-se que a pobreza em que vivem imensos contingentes humanos constitui importante fator de degradação do meio ambiente. E que o consumo desenfreado das populações ricas contribui para a exaustão dos recursos do planeta. Também chegou-se à conclusão de que, com o auxílio da tecnologia, é possívelconciliar a conservação da natureza com o desenvolvimento econômico.
A Eco-92 consumiu cerca de dois anos e meio de preparativos, durante os quais realizou-se uma série de reuniões em que se elaboraram os documentos a serem discutidos e firmados no Rio de Janeiro. Dois deles tinham valor jurídico (que sujeita os infratores a serem julgados à luz do direito internacional): as Convençõessobre a Diversidade Biológica (ou Biodiversidade) e sobre as Alterações Climáticas. Os três outros – a Agenda 21 e as declarações do Rio e das Florestas – manifestavam apenas pontos de vista e intenções de ação futura.

2. DECLARAÇÃO DO RIO

A Declaração do Rio já chegou pronta à conferência e não sofreu alterações, apesar dos protestos dos EUA e de Israel contra o princípio,...
tracking img