Desigualdade social

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 19 (4506 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de novembro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Trabalho
de
biologia













E.E.E.M. – Antônio José Peixoto Miguel
Turma: 1.º A – EJA
Aluno: Raquel de Araujo Almeida

Professora: Elizete
As diferenças sociais










Desde os primórdios do processo de desenvolvimento brasileiro, o crescimento econômico tem gerado condições extremas de desigualdades espaciais e sociais, que semanifestam entre regiões, estados, meio rural e o meio urbano, entre centro e periferia e entre as raças. Essa disparidade econômica se reflete especialmente sobre a qualidade de vida da população: expectativa de vida, mortalidade infantil e analfabetismo, dentre outros aspectos.


PROBLEMAS DAS DIFERENÇAS SOCIAIS
As diferenças sociais do Brasil podem ser compreendidos com o auxílio einterpretação de indicadores sociais. Houve uma evolução positiva destes indicadores na última década, especialmente em relação ao aumento da expectativa de vida, queda da mortalidade infantil, acesso a saneamento básico, coleta de lixo e diminuição da taxa de analfabetismo. Apesar da melhora desses índices, há nítidas diferenças regionais, especialmente em relação ao nível de renda.
Os problemassociais ficam claros, sobretudo, com o I.D.H. - (Índice de Desenvolvimento Humano), o qual o Brasil, entre 187 nações e territórios, fica na 84ª posição de acordo com dados de 2011 divulgados pela ONU – Organização das Nações Unidas, embora tenha a sétima economia do mundo.
CONCENTRAÇÃO DE RENDA



Favela em Porto Alegre.


Catador de lixo no Recife

Favela Dona Marta, no Rio de Janeiro, aolado de prédios residenciais de alto padrão

Habitações precárias sob um viaduto em São Paulo

Favela em Teresina
Na última década de 70, o economista Edmar Bacha citou o Brasil como um país com características de uma Belíndia, em referência à sua enorme desigualdade social, que se traduz por uma minoria com padrão de vida dos ricos da Bélgica e uma maioria com o padrão de vida dos pobresda Índia. No entanto, um relatório, divulgado em 2008 e baseado no I.D.H. - (Índice de Desenvolvimento Humano), aponta o país com características de Islíndia, com uma minoria com padrão de vida ainda melhor que o da Bélgica e superior a dos 20% mais ricos da Islândia - o país com maior I.D.H. - (Índice de Desenvolvimento Humano) no mundo.
Esse relatório menciona também que, no Brasil, os 20%mais ricos vivem em condições melhores que a fatia mais rica de países como Suécia, Alemanha, Canadá e França.
A base de dados do P.N.U.D. - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento mostra que o Brasil é o décimo no ranking da desigualdade.
Em comparação com o resto do mundo, a divisão pessoal de renda do Brasil é mais discrepante que a dos outros países de baixo desenvolvimentoeconômico. Até a última década de 90, alguns países como Etiópia e Uganda tinham distribuição de renda muito melhor que a brasileira. No período, os mais ricos tiveram aumento da renda real e os mais pobres também tiveram aumento de renda, embora o abismo entre as classes sociais tenha ficado ainda maior.
A renda também é clara entre os gêneros. Um estudo da ONU – Organização das Nações Unidas,divulgado em 2010, mostra que, se analisadas a saúde reprodutiva, empoderamento (autonomia) e atividade econômica, o país aparece em 80º lugar na lista de 138 nações e territórios.
Dados do Censo 2010 revelam que a renda dos mais ricos (média de R$ 16.560,92 mensais) é maior que a de 40 brasileiros mais pobres (R$ 393,43).
Em 2009, uma pesquisa do IBGE, realizada em setembro de 2008, revelou que os10% mais ricos (R$ 4.424 mensais ou mais) concentravam 43% da riqueza, ao passo que os 50% mais pobres possuem apenas 18%.
O Censo 2010 detectou que 25% da população brasileira recebia até R$ 188,00 mensais e metade tem renda per capita de R$ 375, valor abaixo do salário mínimo de 2010 (R$ 510).
De acordo com dados da OIT relativos a 2010, cerca de 25% da população brasileira ganha menos...
tracking img