Desenvolvimento economico local

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2593 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]






















































































SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3

2 DESENVOLVIMENTO ECONôMICO LOCAL 4
2.1 O Que Desenvolvimento Econômico Local? 4
2.1.1 O Que Significa prática de Desenvolvimento Econômico Local? 4
2.1.1.1 Como uma economia local fortepode ser construída? 4
2.1.1.1.1. Porque promover o Desenvolvimento Econômico local?...........................................................................................................................4

3 EXEMPLOS DE ELEMENTOS DE APOIO AO TEXTO 5

3.1 EXEMPLO DE GRÁFICO 5
3.2 EXEMPLO DE FIGURA 5
3.3 EXEMPLO DE QUADRO 6
3.4 EXEMPLO DE TABELA 6

4 CONCLUSÃO 7

REFERÊNCIAS 8APÊNDICES 9
APÊNDICE A – Instrumento de pesquisa utilizado na coleta de dados 10

ANEXOS 11
ANEXO A – Título do anexo 12











INTRODUÇÃO


O desenvolvimento local é um tema controverso e pouco conceituado, tanto no Brasil quanto no debate internacional. Não é apenas controverso em termos conceituais, mas também metodológico. Assim colocado,tentativas de avaliar ou medir o desenvolvimento econômico produzido pelas intervenções locais torna-se uma tarefa, no mínimo difícil.
Há quem diga que as experiências de desenvolvimento local são apenas a expressão espacial de um novo arranjo industrial “pós-fordista” BENKO e LIPIETZ, 1994: 4. Há quem diga, por outro lado, que as experiências de desenvolvimento local têm dinâmicaspróprias e não é apenas o reflexo da reorganização internacional do capital BECATTINI, 1994. Há ainda quem acredite no local como espaço privilegiado para experimentações contra hegemônicas, SANTOS e RODRÍGUEZ, 2002: 47.
Segundo Benko e Lipietz (1994) duas revoluções na organização dos processos seriam capaz de inverter a tendência de uma nova organização espacial desordenada daprodução industrial. A primeira delas afetaria as relações profissionais entre capital-trabalho. Com a crise do taylorismo pós-guerra, a saída encontrada foi a mobilização dos recursos humanos que se formam não somente nas empresas, mas sobretudo na cultura local, na tradição familiar, em suma, num sistema local em que se enriquecem as competências técnico-profissionais (1994: 4). A segunda estárelacionada com a organização industrial, a relação entre as empresas. Redes de empresas ligadas por relações de parceria e sub-contratação substituíram as grandes empresas integradas. Essas dinâmicas operam o regresso ao que era comum na geografia econômica do passado: os distritos industriais, em que se concentravam empresas do mesmo ramo, dividindo trabalho e partilhando um saber-fazer local.Por outro lado, há quem defenda uma certa autonomia do local. Becattini (1994) em sua análise socioeconômica dos distritos industriais ressalta o seu sistema de valores e de pensamento homogêneo – expressão de uma ética do trabalho e da atividade, família e da mudança – condicionando os principais aspectos da vida local. Paralelamente a esse sistema de valores, desenvolve-seum conjunto de instituições, normas e regras destinadas a propagar esses valores a todo o distrito, estimulando sua adoção e a transmissão de geração em geração (1994: 20). Essas instituições incluem não só o mercado, a escola e a Igreja, como também as autoridades e organizações políticas locais, além de inúmeras outras instâncias públicas e privadas, econômicas, políticas, culturais, religiosasde solidariedade social. Para que estas dinâmicas sociais possam funcionar sem obstáculos, as instituições que integram o distrito devem, quando possível, respeitar o mesmo sistema de valores e regras. Isto não elimina os conflitos de interesse entre seus diversos membros, nem retira a consciência desses conflitos, mas institui esses conflitos num contexto de superioridade do interesse...
tracking img