Desenho aparelho e velame

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1896 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Desenho do aparelho e velame

Considerações teóricas

Apesar do aparelho permitir ao barco mover-se atravês da água infelizmente também o trava. Isto porque todas as peças como cabos, elos, esticadores, etc provocam turbulência na fluidez do ar alêm de provocar variação no nivelamento do casco devido ao peso colocado numa posição alta. Assim não temos apenas de nos preocupar com obalanceamento das forças introduzidas pelas velas no deslocamento do casco como igualmente com a altura e localização das peças. Alêm disso, para ser considerado um aparelho ideal ainda têm que ser fácil de manejar, simples e ter uma vida util prolongada.

O aparelho mais eficiente têm um plano vélico semi-eliptico (de vela unica) “Shape Una Rig”. É o que se vê em aeroplanos e planadores e é frequentementechamado de “asa Spitfire”. O aparelho que se segue em eficiência é constituido por vela grande e vela de estai que se sobrepõem ligeiramente no mastro.
Em qualquer caso a razão de aspecto do velame não pode exceder 3:1 (o que normalmente implica um mastro com uma razão de 1,2 em relação á LOA). Se no entanto forem utilizadas quilhas com baixa razão de aspecto então a razão de aspecto do velamedeve ser reduzidauma vez que a efeiciência do velame deve estar dimensionada en função do equilibrio.

Quando estudava design de yachts nos anos de 1975-78 o meu projecto de final de curso foi um catamarã de cruzeiro de 35 pés com mastreação em “Gaff” que me parecia ser um meio fácil de aproximar da forma semi-eliptica. Mas rápidamente me apercebi que havia dois problemas com esta mastreação:
1º- Só se podia fixar o mastro no topo e assim o mastro ficava mais pesado no topo que um mastro convencional.
2º - A vela “Gaff” era pesada.
De facto decidi na época que era melhor ter uma vela unica, ligeiramente mais alta, mas que no conjunto é mais leve, e usar réguas no topo da vela para criar a forma semi-eliptica. Isto resultou num aparelho parecido com o dinghie “Merlin Rocket” e pode servisto no design “Strider”. Este aparelho também têm a vantagem de necessitar de poucas linhas de control, aliviando a necessidade de ter uma tripulação muito capacitada, ou seja, em outra palavras, é mais fácil de velejar.

Nos anos 80 as réguas eram feitas de madeira sendo muito pesadas e facilmente quebráveis. Por isso as minhas velas iniciais apenas tinham réguas no topo. Mas com a evoluçãodos tempos e dos materiais eu também mudei as velas colocando um conjunto de réguas em toda a sua extensão. Deste modo as velas ficam com a forma correcta e caem muito bem nos “Lazy Jack’s” que eu considero tão importantes quanto velas de proa de enrolar nos veleiros de cruzeiro. Tendo dito isto eu continuo a preferir o menor numero de réguas possivel pois mesmo assim elas ainda pesam e arrastamna calha do mastro tornando dificil baixar a vela. Na verdade para mastros maiores de 13m (45’) eu recomendo carros de esferas numa calha fixa na parte de trás do mastro.
Infelizmente não é possivel ter um mastro devidamente fixo por estais e brandais com uma vela com muita curva na valuma. Se você quer cruzetas e contra estais como muitos velejadores preferem terá que optar por uma vela com menosvaluma. Mas nos dias de hoje eu ainda teria velas com réguas pela facilidade de estocagem no “Lazy Jack” e por as velas não folgarem quando a velejar com motor.

Mastreação com duplo mastro

Tradicionalmente yachts com dois mastros eram usados pela facilidade de manejo das velas – o que quer dizer algumas regras de regatas atribuiam vantagens na pontuação a tais yachts, como por exemplo“1960’s Ocean Racers” e a ultima “IOR Maxi Whitbread Race Boats”. Mas nos dias que correm já não é necessário manter as velas menores uma vez que materiais de vela mais leves e resistentes associadas a melhores peças, velas de enrolar possivelmente com enroladores motorizados, molinetes e moitões de esferas tornaram a vida das tripulações mais faceis.
A regra de ouro quando em regata é que nunca se...
tracking img