Desafio de psicologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 17 (4152 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de dezembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
sicologia

DESAFIO DE PSICOLOGIA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL

PÓLO JOANA ANGÊLICA/SALVADOR

Componentes
* Ricardo André Nascimento: RA-230201
* Ivonete Pereira Silva: RA-229584
* Iranilda. Souza Santos Silva: RA- 229588
* Maria do Carmo dos Santos Barbosa: RA-. 223954
* Joseane Boaventura: RA-282583Salvador, 2011

1-Introdução

Este trabalho propõe a fazer uma análise da mulher levando a consideração a questão da ideologia, questão de identidade, questão da representação social, neste contexto fazer um aparado ao mercado de trabalho sobre a inserção no curso de graduação de serviço social.
A ideologia dominante é compreendida da mesma forma pelos que através deladominam, e pelos que são denominador. A transmissão desta ideologia é feita da mesma forma, isto é com as mesmas palavras, para todas as camadas sociais. Na verdade a ideologia surge da necessidade de explicar o porque e o para que a sociedade funciona da determinada maneira, esta explicação geralmente é dada pelo grupo que se beneficia , precisa ser justificada e legitimadahistórico-filosoficamente .Assim Chuí diz ‘’um dos traços fundamentais da ideologia consiste justamente tomar as idéias como independente das realidades históricas e social de modo de fazer com que tais idéias expliquem aquela realidade que torna compreensíveis as idéias elaborada’
Comportamentos sociais que determinam a compreensão do status atribuindo a mulher em nossa sociedade e dasatitudes desenvolvidas em relação ao seu trabalho e participação social.

2-Desenvolvimento

Ao longo da história da humanidade podem-se observar constantes transformações sociais, culturais, políticas e econômicas que caracterizam o modo de viver de épocas, determinando o comportamento e a forma de se relacionar das pessoas deste período, mudanças estas que refletem também nas relaçõesfamiliares. A mulher tem desempenhado diferentes funções ao longo da história, reduzindo as barreiras que operam dividindo o que é para homens e o que é direcionado as mulheres, misturando-se as responsabilidades entre os sexos.
Durante o século XVII, período denominado de Idade Média, o sentimento de família e de infância praticamente não existia (ARIÉS 1981). Neste período prevalecia uma culturaPatriarcal, no qual defendia a superioridade masculina, sendo que a mulher ocuparia uma posição inferiorizada equiparando a uma criança, sendo-lhe atribuída pouca ou nenhuma importância. Durante este período assim que as crianças podiam prescindir dos cuidados maternos ou das amas, passavam á condição de adultos, misturando-se a eles em suas atividades. Os casamentos eram por contrato baseando-se eminteresses econômicos e alianças políticas, não havendo qualquer manifestação de afetividade entre os casais, ou mesmo entre pais e filhos, o amor conjugal assim como o amor entre a família não era necessário, o importante era ter o poder, o que era obtido através das posses. Fatos estes que para Moura e Araújo (2004) contribuíram para o alto índice de mortalidade infantil neste período, onde afalta de apego das mães em relação aos filhos era justificada pelo pouco tempo de contato que estabeleciam, uma vez que devido ás más condições de sobrevivência o tempo de vida das crianças era curto, poucas crianças chegavam á idade adulta.
Este período se caracterizou pela divisão do trabalho entre o que era para os homens e o que era exclusivo para as mulheres, ficando estas restritas ao âmbitodas atividades privadas e desvalorizadas. Exercendo o homem desta forma uma dominação econômica sobre a mulher, o que lhe garantia submissão desta aos seus desejos. Durante este período a mulher só era reconhecida e valorizada através da maternidade, sua função "era fornecer o maior número possível de filhos para arar a terra e defender a terra e o estado" (MURARO, 2000, p. 62).
Percepção...
tracking img