Criticas

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1521 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de abril de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Fifa pressiona para ter as garantias bancárias. O clube estuda seguir as obras com recursos próprios
Gabriel Cardoso, iG Porto Alegre | 02/03/2011 08:08
[pic]
A Copa do Mundo de 2014 tem dado dor de cabeça ao Inter. Com o estádio Beira-Rio esta entre as sedes do mundial, o clube tem sido pressionado quanto a maneira que vem conduzindo as reformas da sua casa. A ideia dos gaúchos era de tocaras obras com recursos próprios, mas não trata-se da maneira mais adequada na opinião da Fifa.
O clube tem feito várias reuniões para decidir o que fazer. A tendência é que adote parceria com uma empreiteira, e esta seguiria as reformas e daria as garantias bancárias consideradas fundamentais pela entidade máxima do futebol. Outra alternativa é a de seguir com recursos próprios, esta é a linha depensamento defendida pelo ex-presidente Vitorio Piffero. Outros, mais radicais, querem que o Inter ignore a pressão da Fifa, entendendo que um esforço acima do normal poderia trazer dívidas para o clube.
Na segunda-feira, o conselho consultivo, formado por ex-presidentes, se reuniu para começar a debater a questão. Na terça, foi a vez do conselho fiscal avaliar as duas hipóteses. Nestaquarta-feira os conselheiros se reúnem. Os projetos serão apresentados e um encaminhamento de o que fazer deve ser dado, porém a posição definitiva só será tomada depois do Carnaval.
Se definir pela parceria com uma empresa, as reformas seguiriam na mesma velocidade. A diferença é que seria bancada pela empreiteira e esta ganharia o direito de explorar o estádio Beira-Rio por um período determinado parareaver o dinheiro. A construtora teria direito a verbas de camarotes, estacionamento e outras áreas do clube.
Fonte:http://esporte.ig.com.br/futebol/reformas+para+a+copa+de+2014+causam+polemica+no+internacional/n1238126890405.html

Critica:
Sabemos que a FIFA é responsável pelo futebol, mas porque a pressão em cima do clube internacional seria mesmo apenas pelo atraso das obras, caso fosse, erapara estar acontecendo o mesmo com o Mineirão, certo? Como vimos, uma das soluções apontadas para fugir da pressão foi de seguir a obra com recursos próprios. Não seria esse o verdadeiro motivo da pressão da FIFA- diminuir seus gastos.

Supremo derruba Lei da Ficha Limpa e acaba com 'via crucis' de Cássio que assume no Senado

23/03/2011 | 20h54min

Em julgamento realizado nestaquarta-feira, 23, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a Lei da Ficha Limpa entra em vigor a partir das eleições de 2012. Foram 6 votos contra 5. O ministro Luiz Fux, recém-chegado à Corte, se posicionou contrário à aplicação imediata da lei e desempatou a votação.
Como a medida foi aprovada em ano eleitoral, era tendência que a Corte não votasse pela aplicação imediata, ou sejá, já nas eleições de2010. Com a decisão, candidatos barrados pela lei poderão tomar posse, o que pode mudar a configuração dos legislativos federal e estatuais.
Dentre os beneficiados estão o ex-governador Cássio Cunha Lima (PSDB), cassado por abuso do poder econômico, Jader Barbalho (PMDB-PA), barrado por ter renunciado ao mandato em 2001 para fugir do processo de cassação; e João Capiberibe (PSB-AP), que teve omandato de senador cassado em 2004 por compra de votos. Todos tiveram votos suficientes para se elegerem para o Senado, mas acabaram impedidos de tomar posse pela Justiça Eleitoral.
A votação começou às 14h35 e terminou às 20h30. Nenhum dos ministros alterou voto. A principal discussão entre os magistrados era se a lei poderia ser aplicada sem que tivesse um ano de existência, o que iria deencontro ao princípio da anterioridade da lei eleitoral, previsto no artigo 16 da Constituição Federal.
Na leitura do voto final, que desempatou a decisão, o presidente do STF, Cezar Peluso, afirmou que a Corte não pode atender aos anseios da população sem considerar os princípios da Constituição.
Veja quem votou a favor e contra à aplicação imediata da lei:
contra: ministros Dias Toffoli; Luiz Fux;...
tracking img