Crise no capitalismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3664 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1. INTRODUÇÃO
O trabalho, compreendido como atividade em que o homem se relaciona com seus semelhantes e atua sobre a natureza para conseguir os bens necessários para sua sobrevivência, desde os primórdios da humanidade, passou por significativas transformações. Tiveram que inventar suas ferramentas e atuar sobre a natureza para obterem seus meios de sobrevivência, tiveram que inventar apropriedade coletiva e privada, teve que dividir e subdividir as tarefas.
Este trabalho tem como objetivo as contribuições teórico-metodológicas deixadas por estudiosos da área, os principais aspectos do modelo teylorista-fordista,que caracteriza-se pela ênfase nas tarefas, objetivando o aumento da eficiência ao nível operacional. É considerado um subcampo da perspectiva administrativa clássica. Serãoabordados também os seguintes temas: A Organização no processo de trabalho no capitalismo; Cooperação simples, manufatura e maquinaria e o Modelo Japonês.
Será feita analise da Organização de Trabalho na Empresa DONNA, sua descrição do processo e o modelo de organização do trabalho presente no local investigado.

1. A organização do processo de trabalho no capitalismo
O taylorismo e ofordismo, introduzindo as correias transportadoras, que determinam o ritmo do trabalho, e o salário diário, que aumenta o controle sobre a força de trabalho, pois possibilita recrutar e dispensar facilmente a mão-de-obra, na medida em que isto se fizer necessário ao capital - sofreram modificações ao longo do século. E a polêmica colocada atualmente refere-se ao significado das novas formas deorganização do trabalho, propostas nas últimas décadas: antitaylorismo ou neotaylorismo?
Examinando-se essas novas formas de organização do trabalho, desde a Escola de Relações Humanas – surgida nas primeiras décadas deste século, logo após o taylorismo - com suas propostas de humanização do trabalho visando a sua melhor integração ou adaptação ao processo de trabalho, até as mais recentes formas dereagrupamento das etapas do processo de trabalho e de incentivo ao aumento da participação de trabalhadores nas decisões empresariais (comissões de fábrica delegados sindicais, círculos de controle de qualidade etc), pode-se perceber a ausência de questionamento são aspectos fundamentais da natureza das relações de trabalho.
As novas formas completam as antigas, ou melhor, significam umaperfeiçoamento das relações capitalistas de produção, pois procuram despojá-las do caráter despótico de gerenciamento de conflitos através de transformações: no conteúdo do trabalho (extinção de parte da linha de montagem, recomposição da extrema fragmentação do trabalho etc.), nas formas de autoridade (direção com participação, por objetivos, representação de trabalhadores em diferentes níveis etc.), nosprocessos de integração da força de trabalho (promoção de identidade de interesses, esquemas de formação permanente e de perfil de carreira para todos etc.), e em outros aspectos.
É o novo discurso do capital, constituído por novo estilo de administração capitalista, que se atualiza em função das necessidades impostas em cada etapa de acumulação do capital e em cada estágio das forças produtivas.
Asalterações então ocorrem à medida que a organização repressiva do trabalho passa a se constituir em obstáculo à ampliação crescente da produtividade, em função das condições econômico-sociais específicas dos países ocidentais em seus respectivos estágios de industrialização.
Dependem, ainda, da configuração assumida pela correlação de forças existentes entre as classes sociais, das tecnologiasutilizadas pelo capital e da forma de legitimação por ele proposta; mas nunca questionam realmente as bases que alicerçam o modo de produção capitalista.
Enfim, significam adaptações dos processos de trabalho na produção em massa às novas condições de controle da força de trabalho e às novas necessidades impostas pela configuração da estrutura de produção internacional, e, portanto, às novas...
tracking img