Crise financeira de 1929

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1279 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Centro Educacional 07 de Taguatinga











Crise Financeira de 1929








Disciplina: Geografia
Professora: Meg


O QUE FOI
A crise de 1929 foi uma crise de superprodução, isto é, as indústrias americanas produziam em grande escala e as exportações para a Europa diminuíram, pois os países recomeçaram a produção de produtos que importavam dos Estados Unidos, e, agrande conseqüência disso foi que o mercado interno se viu sufocado de produtos que ele não conseguia consumir. Todas as crises financeiras, sem exceção, têm uma mesma causa fundamental: A expansão dos ativos se dá com a euforia dos agentes quanto a ganhos sempre crescentes nos mercados em que atuam – bolsas, imóveis, derivativos financeiros etc. – até que o movimento inverso se produz, geralmenteem situação de pânico, dada a inação das autoridades e o comportamento de manada da maior parte dos atores do mercado. Havia uma crença de que a prosperidade não acabaria e que nada iria afetá-la, porém, o país foi surpreendido, pois essa prosperidade foi drasticamente afetada com a quebra da Bolsa de Valores de Nova York em 29 de outubro de 1929.Durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918),osEstados Unidos, foram os principais fornecedores dos países europeus, exportando grandes quantidades de produtos industrializados, alimentos e capitais (sob a forma de empréstimos).
Após-guerra, os Estados Unidos, tornaram-se a maior potência econômica do mundo. Em 1920, a indústria norte-americana produzia quase 50% de toda a produção industrial do mundo. Por quase toda a década de 20, aprosperidade econômica gerou nos norte-americanos um clima de grande euforia e de consumo desenfreado, gerando o modo de vida americano, como modelo de progresso. Viver bem significava consumir cada vez mais.
Porém, no final da década de 20, a produção norte-americana atingiu um ritmo de crescimento muito maior do que a demanda por seus produtos, gerando uma crise de superprodução.
  Em 1929, osEstados Unidos conheceram uma profunda crise econômica, com a queda da Bolsa de Valores de Nova York, que gerou uma grave crise interna, um alto índice de desemprego e que acabou afetando vários países do mundo.







Causas
Podemos destacar algumas causas principais que leváramos Estados Unidos a uma crise econômica.
Uma delas foi a recuperação econômica dos paiseseuropeus após a guerra. Assim, estes paises diminuíram drasticamente a importação de produtos industrializados e agrícolas dos Estados Unidos.
A diminuição das importações teve como reflexo a superprodução agrícola, principalmente de trigo que não encontrava comprador, interna ou externamente.
Houve também diminuição do consumo, pois o poder aquisitivo da população não acompanhava ocrescimento da indústria. As indústrias foram forçadas a diminuir a sua produção e demitir funcionários.
Inspirando nas idéias liberais, nos EUA vigorava o livre mercado. Ou seja, cada empresário fazia o que bem entendia, sem interferência do governo.

Conseqüências

Além das graves conseqüências econômicas à crise financeira junta-se a crise de superprodução: apesar da descida dospreços, grande parte do mercado agrícola e industrial não tem compradores. Milhares de empresas têm de fechar, o desemprego aumenta brutalmente, provocando uma redução do poder de compra e uma redução da procura. A rápida propagação da crise à Europa deveu-se, sobretudo à retirada de capitais, uma vez que desde a I Guerra, os bancos americanos faziam importantes investimentos na Europa e, além disso,concediam importantes empréstimos. Com a eclosão da crise, os americanos procuram fazer regressar os seus capitais provocando uma grande perturbação na Europa.
Muitos bancos, sobretudo na Áustria, Alemanha e na Inglaterra, faliram ou conheceram sérias dificuldades, o mesmo aconteceu com as empresas que necessitavam de empréstimos bancários para sobreviverem.

Conseqüências especificas...
tracking img