Consciencia negra

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1309 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ CAMILO TAVARES













CULTURA AFRO-DESCENDENTE









VARGINHA-MG
2011

ESCOLA MUNICIPAL JOSÉ CAMILO TAVARES

TRABALHO DE CARGA HORÁRIA



NOME: INGRID THAIS BECATI
SÉRIE: 3º ano A Nº.: 11














VARGINHA-MG
2011

Dia da Consciência Negra
O Dia Nacional da Consciência Negra é celebradoem 20 de novembro no Brasil e é dedicado à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira. A semana dentro da qual está esse dia recebe o nome de Semana da Consciência Negra.
A data foi escolhida por coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. O Dia da Consciência Negra procura ser uma data para se lembrar a resistência do negro à escravidão de forma geral, desdeo primeiro transporte de africanos para o solo brasileiro (1594).
Algumas entidades como o Movimento Negro (o maior do gênero no país) organizam palestras e eventos educativos, visando principalmente crianças negras. Procura-se evitar o desenvolvimento do auto-preconceito, ou seja, da inferiorização perante a sociedade.
Outros temas debatidos pela comunidade negra e que ganhamevidência neste dia são: inserção do negro no mercado de trabalho, cotas universitárias, se há discriminação por parte da polícia, identificação de etnias, moda e beleza negra, etc.
O dia é celebrado desde a década de 1960, embora só tenha ampliado seus eventos nos últimos anos.



Quilombos e Quilombolas


Quilombo era um local de refúgio dos escravos no Brasil, em sua maioriaafro-descendente (negros e mestiços), havendo minorias indígenas e brancas. O mais famoso na História do Brasil foi o de Palmares.

Quilombolas é designação comum aos escravos refugiados em quilombos, ou descendentes de escravos negros cujos antepassados no período da escravidão fugiram dos engenhos de cana-de-açúcar, fazendas e pequenas propriedades onde executavam diversos trabalhos braçaispara formar pequenos vilarejos chamados de quilombos.
Mais de duas mil comunidades quilombolas espalhadas pelo território brasileiro mantêm-se vivas e atuantes, lutando pelo direito de propriedade de suas terras consagrado pela Constituição Federal desde 1988.





Quilombos Remanescentes

Os quilombos no Brasil são realidades que mostram a resistência do povo negro nestepaís. Muitas comunidades remanescentes de Quilombos estão em seus territórios mantendo as origens daqueles negros e negras que não quiseram ser enquadrados e que se rebelaram fugindo do sofrimento que lhes era imposto por uma sociedade que até hoje tem o racismo como ingrediente institucional.
Podemos ver os quilombolas ainda lutando para sobreviverem em condições precárias nos lugares ermos,mas que traduzem a marca constante da resistência.
Mas, precisam resistir ainda aos ataques de fazendeiros, latifundiários que, não satisfeitos pelas terras que têm, terras as vezes roubadas de pessoas pobres e indefesas,tentam invadir a história tirando dos quilombolas a legitimidade como proprietários das terras.
Muitos estrangeiros, sobretudo italianos, como no Quilombo de Brotas emItatiba - SP chegaram aqui subsidiados pelo governo brasileiro e receberam terras. Muitas dessas terras já estavam os negros e negras, que foram retirados em atos de extrema covardia. Um exemplo disso é o Quilombo citado acima, Brotas, que, segundo a líder atual foi sendo diminuindo com a chegada dos italianos. Até hoje o Quilombo Brotas em Itatiba - SP sofre a pressão do governo municipal paradeixar de existir e as terras serem distribuídas entre brancos e poderosos da cidade.
Mas, o que me chama a atenção é que este grupo, os quilombolas, ainda não foi alcançado pelas igrejas evangélicas e muitos, estão distantes de assistência humanitária. São cerca de 2840 comunidades remanescentes de Quilombos que precisam ouvir do amor de Deus sem que para isto tenha a necessidade de...
tracking img