Conhecimento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3739 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
CAPÍTULO 3
O QUE E CONHECIMENTO?
Pedimos somente um pouco de ordem para nos proteger do caos. Nada é mais doloroso, mais angustiante do que um pensamento que escapa a si mesmo, idéias que fogem, que desaparecem apenas esboçadas, já corro idas pelo esquecimento ou precipitadas em outras, que também não dominamos.

1.

Introdução

A epígrafe deste capítulo se refere ao esforço constante queanima o homem a compreender. Diante do caos - que não significa vazio, mas desordem - procuramos estabelecer semelhanças, diferenças, contigüidades, sucessão no tempo, causalidades, que possibilitem "pôr ordem no caos". Mesmo porque so assim será possível ao homem também agir sobre o mundo e tentar transformá-lo. O conhecimento é o pensamento que resulta da relação que se estabelece entre osujeito que conhece e o objeto a ser conhecido. A apropriação intelectual do objeto supõe que haja regularidade nos acontecimentos do mundo; caso contrário, a consciência cognoscente nunca poderia superar o caos. Por exemplo, Kant diz: "Se o cinábrio [minério de mercúrio] fosse ora vermelho, ora preto, ora leve, ora pesado (...), minha imaginação empírica nunca teria ocasião de receber no pensamento,com a representação) da cor vermelha, o cinábrio pesado". O conhecimento pode designar o ato de conhecer, enquanto relação que se estabelece entre a consciência que conhece e o mundo conhecido. Mas o conhecimento também se refere ao produto, ao resultado do conteúdo desse ato, ou seja, o saber adquirido e acumulado pelo homem. Na verdade, ninguém inicia o ato de conhecer de uma forma virgem, poisesse ato é simultâneo à transmissão pela educação dos conhecimentos acumulados em uma determinada cultura. No correr dos tempos, a razão humana adquire formas diferentes, dependendo da maneira pela qual o homem entra em contato com o mundo que o cerca. A razão é histórica e vai sendo tecida na trama da existência humana. Então, a capacidade que o homem tem, em determinado momento, de discernir asdiferenças e as semelhanças, e de definir as propriedades dos objetos que o rodeiam, estabelece o tipo de racionalidade possível naquela circunstância. (Deleuze e Guattari)

A apreensão que fazemos do mundo não é sempre tematizada, sendo inicialmente préreflexiva. E isso vale tanto para o homem das sociedades tribais e para a criança como para nós, no cotidiano da nossa vida. Não é sempre queestamos refletindo sobre o mundo (ainda bem!), e a abordagem que dele fazemos se encontra primeiro no nível da intuição, da experiência vivida. Se de início o homem precisa de crenças e opiniões prontas (nas formas de mito ou do senso comum), a fim de apaziguar a aflição diante do caos e adquirir segurança para agir, em outro momento) é preciso que ele seja capaz de "reintroduzir o caos", criticandoas verdades sedimentadas, abrindo fissuras e fendas no "já conhecido", de modo a alcançar novas interpretações da realidade. Todo conhecimento dado tende a esclerosar-se no hábito, nos clichês, no preconceito, na ideologia, na rigidez das "escolas". Esse conhecimento precisa ser revitalizado pela construção de novas teorias (no caso da filosofia e da ciência) e pelo despertar de novassensibilidades (no caso da arte). Pelo esforço resultante do questionamento, a razão elabora o trabalho de conceituação, que tende a se tornar cada vez mais complexo, geral e abstrato. A ação do homem, inicialmente "colada" ao mundo, é lentamente elucidada pela razão, que permite "viver em pensamento" a situação que ele pretende compreender e transformar. Com isso não estamos dizendo que o pensar humanopossa ficar separado do agir (já vimos como essa relação é dialética), mas que o próprio pensamento torna-se objeto do pensamento: instala-se a fase de auto-reflexão e crítica do conhecimento anteriormente recebido. Os diversos modos de conhecer, apenas indicados neste item, serão analisados em outros capítulos deste livro: o mito, o senso comum, a ciência, a arte e a filosofia.

2.

Formas de...
tracking img