Como compreender a cidadania a partir da teoria do reconhecimento

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3488 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 30 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Centro Universitário de Sete Lagoas
Fundação Educacional Monsenhor Messias - UNIFEMM
Unidade de Direito
2º período – Turma C









COMO COMPREENDER A CIDADANIA NO BRASIL A PARTIR DA TEORIA DO RECONHECIMENTO




SOUZA, JESSÉ.
DUTRA, ROBERTO.
DOMINGUES, JOSÉ MAURÍCIO.
HABERMAS, JÜRGEN





Sete Lagoas 2009

Introdução:

Buscamos através do presentetrabalho, compreender a cidadania no Brasil a partir da Teoria do Reconhecimento, nos baseando em quatro autores, cujos textos foram fundamentais para a compreensão do referido tema. O primeiro deles, intitulado: “‘Não’ Reconhecimento e Subcidadania, Ou O Que É Ser Gente?” de Jessé de Souza, nos remete à reflexão e análise crítica à problemática da subcidadania em países periféricos. Seu texto écomposto por duas partes encadeadas, sendo que a primeira consiste na discussão teórica a partir Pierre Bourdieu e Charles Taylor para repensar e demonstrar a vinculação entre uma hierarquia de valor, com a produção de uma desigualdade social que tende a se naturalizar tanto no centro quanto na periferia do sistema. Assim a preocupação de Jessé Souza é que o estudo das sociedades periféricas retornea sua articulação com questões universais.
A segunda parte demonstra como a desigualdade social do Brasil pode ser percebida não como herança pré-moderna ou personalista, mas sim como resultado de um efetivo processo de modernização de proporção ampla que tomou o país no início do século XIX sendo assim para Jessé a desigualdade brasileira e sua naturalização são modernas, ligadas a eficácia devalores e instituições modernas frutos de uma bem sucedida importação. Ele esclarece as pré-condições sociais da naturalização da desigualdade.
Jessé de Souza atinge o objetivo proposto ao demonstrar que a desigualdade social traduz–se como a mais importante contradição da sociedade brasileira, demonstrando-a como um conceito obscuro ao revelar-se um processo naturalizado de gente,sub-gente e não gente. Dessa perspectiva, Jesse Souza faz uma desconstrução das teorias que explicam o Brasil e apresenta uma alternativa a essas tradições que se propuseram a explicar o processo de formação da categoria brasileira. Nesse sentido o seu trabalho é fundamental por avançar na interpretação sociológica do Brasil, demonstrando as explicações que naturalizaram o processo de desigualdade nasociedade brasileira.
O segundo texto, “A Moralidade Do Mercado: Uma Interveção No Debate Sobre Reconhecimento Entre Nany Frazer E Axel Honneth”, de Roberto Dutra Torres Júnior, tenta demonstrar como o mercado tem influência nos conflitos de reconhecimento e que a nossa busca por melhores condições, ou seja, uma melhor vida que delimita as possibilidades dentro das quais podemos constituirintersubjetivamente nossa identidade, foi o que acarretou uma transformação social dando ênfase à valores materiais.
O artigo sustenta que as injustiças, lutas e políticas redistributivas podem ser adequadamente compreendidas a partir do conceito de reconhecimento social.
No artigo, tanto Frazer como Honneth reconhecem a questão identitária esta na base das lutas sociais tantodas de distribuição como as de reconhecimento. No entanto esses autores se divergem no sentido de Frazer analisa o mercado como uma lógica autônoma e independente de compreensões culturais para criar e reproduzir desigualdades e para ela o critério normativo mais adequado para cumprir essa tarefa é avaliar as questões redistributivas e de reconhecimento de acordo com o grau em que podem promover aparticipação simétrica dos sujeitos em todas as dimensões da vida social. Já Honneth reconhece em sua tese que a redistribuição obedece à dinâmica moral do reconhecimento tem a pretensão de reavaliar os próprios conflitos de classes e os compromissos históricos da social-democracia como expressões de lutas, moralmente motivadas, pelo reconhecimento da contribuição específica de grupos ou classes...
tracking img