Combustiveis fosseis

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2992 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de julho de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
Escola Secundária daniel faria - baltar |
STC - Módulo 7 Tema: O Elemento |
ADN |
|
Tiago Filipe Bessa SousaDocente: Rui Manuel da Rocha Oliveira Resumo:Definição de ADN, suas propriedades e estrutura, qual a função, quem o descobriu… |

18 De Janeiro de 2011 |* Índice

I. Introdução 3
II. Definição de ADN 4
III. História 5
IV. Evolução do metabolismo do ADN 7
V. Propriedades Físicas e Químicas 8
VI. Modificações Químicas 10
VI.I Modificações Bases 10
VI.II Danos ao ADN 11
VII. Recombinação Genética 12

Introdução

Este trabalho é realizado á disciplina de “STC”

Definição de ADN

ADN, em português: acido desoxirribonucleico,é um composto orgânico cujas moléculas contêm as instruções genéticas que coordenam o desenvolvimento e funcionamento de todos os seres vivos e alguns vírus. O seu principal papel é armazenar as informações necessárias para a construção das proteínas e ARNs. Os segmentos de ADN que contêm a informação genética são denominados genes. O restante da sequência de ADN tem importância estrutural ou estáenvolvido na regulação do uso da informação genética.
Do ponto de vista químico, o ADN é um longo polímero de unidades simples (monómeros) de nucleotídeos, cuja cadeia principal é formado por moléculas de açúcares e fosfato intercalados unidos por ligações fosfodiéster. Ligada à molécula de açúcar está uma de quatro bases nitrogenadas. A sequência de bases ao longo da molécula de ADN constitui ainformação genética. A leitura destas sequências é feita através do código genético, que especifica a sequência linear dos aminoácidos das proteínas.
O ADN é responsável pela transmissão de características hereditárias de cada ser vivo.

História

A história do ADN começa no final da década de 1860, com a chegada do médico suíço Friedrich Miescher (1844-1895) à Universidade de Tübingen, umapacata cidade no sul da Alemanha. O jovem pesquisador estava disposto à dedicar-se ao estudo da química da célula e escolheu essa universidade porque nela o químico Felix Hoppe-Seyler (1825-1895) havia inaugurado um importante laboratório de química fisiológica.
Felix Hoppe-Seyler foi quem primeiro descreveu as interações entre a hemoglobina, a proteína responsável pela cor do sangue, e o gásoxigênio. Seu trabalho levou-o a interessar-se pela composição bioquímica dos linfócitos. Mas Miescher enfrentou dificuldades para obter amostras com linfócitos em quantidade e grau de pureza adequados. Por sugestão de Hoppe-Seyler, Miescher começou a estudar a química das células do pus; o material para a pesquisa era abundante, pois dezenas de bandagens com material purulento eram diariamentedescartadas por um hospital próximo à universidade. Miescher desenvolveu técnicas adequadas para o isolamento das células presentes em pus das bandagens e para a sua análise química. O objetivo inicial era investigar as proteínas celulares, um grupo de substâncias descoberto cerca de trinta anos antes.
Em um dos seus muitos experimentos com células do pus, Miescher obteve um precipitado que diferiaquimicamente de todas as substâncias protéicas conhecidas. Ele descobriu que a nova substância concentrava-se no núcleo celular, na época considerado uma estrutura de pouca importância para o funcionamento celular. Aprimorando os métodos de extracção e purificação da nova substância, Miescher pôde realizar uma análise química mais precisa, que mostrou que as quantidades relativas de hidrogênio,(carbono, oxigênio e nitrogênio presentes diferiam das encontradas em proteínas, além de uma quantidade incomum de fósforo. À substância descoberta Miescher denominou nucleína, pelo fato de ela estar concentrada no núcleo das células.
O trabalho sobre nucleína só foi publicado em 1871, após certa resistência do editor da revista científica, o próprio Hoppe-Seyler, que, no início, não acreditou...
tracking img