Ciencia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 12 (2908 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO
DAPARTAMENTO DE TECNOLOGIA QUÍMICA
ENGENHARIA QUÍMICA







ANALISE DA CAPACIDADE DE POCESSOS E SISTEMAS DE MEDIDAS














SÃO LUIS – MA
OUTUBRO DE 2012
CASSIO DE ALMEIDA SOARES
MADSON RICARDO EVERTON SANTOS








ANALISE DA CAPACIDADE DE POCESSOS E SISTEMAS DE MEDIDAS














SÃO LUIS - MAOUTUBRO DE 2012
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO 1
2. RAZÕES DA CAPACIDADE DE UM PROCESSO 2
3. ANALISE DA CAPACIDADE DE UM PROCESSO UTILIZANDO EXPERIMENTOS PLANEJADOS 6
4. APLICAÇÃO DO CEP NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 7
4.1 Estabilidade e Validação da fase de compressão de comprimidos (glibenclamida)..................................................................................................................................................7
4.2 - Validação do processo de envase de xarope de salbutamol
4.3 Determinação do teor da substância ativa em forma farmacêutica sólida oral. 11
5. CONCLUSÕES 12
6. REFERÊNCIAS 13
















INTRODUÇÃO
As técnicas estatísticas podem ser úteis em todo o ciclo do produto, inclusive no desenvolvimento de atividade anteriores àfabricação, para quantificar a variabilidade do processo, para analisar esta variabilidade em relação às exigências ou especificações do produto, e pra ajudar o desenvolvimento e a fabricação na alimentação ou redução dessa variabilidade. Esta atividade geral é chamada análise de capacidade de processo.
A capacidade do processo diz respeito à sua uniformidade, a variabilidade no processo é uma medidada uniformidade da produção onde há duas formas dessa variabilidade.
A primeira natural ou inerente em um instante específico; isto é, a variabilidade "instantânea" e outra é a variabilidade ao longo do tempo.
A análise da capacidade de um processo como um estudo de engenharia para estimar aquela capacidade. A estimativa da capacidade de um processo pode ser apresentada através de umadistribuição de probabilidade, com uma forma, um centro (média) e uma dispersão (desvio padrão) especificados.
Um estudo da capacidade de um processo em geral avalia parâmetros funcionais sobre o produto e não o processo em si. Quando o analista pode observar diretamente o processo e pode controlar ou monitorar atividade de coleta de dados, porque, controlando a coleta de dados e conhecendo a sequenciatemporal dos dados, podemos fazer inferências sobre a estabilidade do processo ao longo do tempo. Entretanto, quando dispomos apenas de unidade amostrais do produto, eventualmente fornecidas pelo vendedor ou obtidas via inspeção na recepção direta do processo ou historia temporal da produção, então o estudo é chamado mais apropriadamente de caracterização do produto.
A análise da capacidade deum processo é uma técnica que tem aplicações em muitos setores de ciclo do produto, inclusive planejamento do produto e do processo, fonte de informação do vendedor, planejamento da produção ou da fabricação e a própria fabricação.
Três técnicas fundamentais são utilizadas na análise da capacidade de um processo: histogramas ou gráficos de probabilidade, gráficos de controle e experimentosplanejados.
RAZÕES DA CAPACIDADE DE UM PROCESSO
Frequentemente, convêm termos uma forma simples, quantitativa, de expressar a capacidade de um processo, Para tanto uma forma é a razão de capacidade de um processo (RCP) Cp.
C_P=(LSE-LIE)/6σ
onde LSE e LIE são os limites superior e inferior de especificações, respectivamente. Cp e outras razões da capacidade de um processo são amplamente utilizados naindústria. E são também erroneamente utilizados com frequência.
Em aplicações práticas, o desvio padrão do processo σ é quase sempre desconhecido e deve ser substituído por uma estimativa de σ. Para estimar σ, tipicamente utilizamos o desvio padrão amostral S. Isto resulta em uma estimativa de Cp.
C ̂_P=(LSE-LIE)/(6σ ̂ )

A razão da capacidade de um processo é uma medida da habilidade de o...
tracking img