Carta do livro molecagem

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1245 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Santa Teresa, 25 de março de 2013

Prezado Senhor Luiz Cláudio Cardoso,

Escrevo esta carta, para parabeniza-lo pelo seu livro MOLECAGEM, pois tive o prazer de conhecer esta obra. Gostaria que soubesse, que não sou bom leitor, quero dizer que não gosto muito de ler , tenho pouca paciência para chegar ao fim do livro , principalmente se ele tiver muitas paginas. Mas preciso ler, porque euma exigência na matéria de português da escola onde estudo.Vou ser sincero, que a escolha desse livro foi feita exatamente por ser uma historia curta , ou seja um livro de poucas paginas.Mas, gostei tanto da historia ,que tenho certeza, que se ela fosse mais longa, sem duvidas iria ler ate o final .Por isso que resolvi escrever esta carta. E com todo respeito, que gostaria de fazer algumasobservações e deixar aqui minha opinião.
Logo no inicio do livro na página cinco PRA COMEÇO DE CONVERSA, o senhor fala um pouco sobre a cidade do Rio de Janeiro, achei legal, pois ajuda na imaginação do leitor, principalmente aquele que não conhece esta cidade. Concordo plenamente quando o senhor diz, que as pessoas associam Rio de Janeiro a carnaval, mas não achei bom, quando o senhor falasobre a ligação do carnaval, favela e jogo do bicho, porque sabemos, que o jogo do bicho no nosso pais e proibido; as favelas infelizmente são vistas com muito preconceito pela maioria , então acho que não ficou legal porque da a impressão, que a imagem do Rio de Janeiro ficou um pouco denegrida para aqueles não nunca foram ao Rio. Acho que não precisaria deste comentário.
Mais adiante, napagina dez onde o senhor fala sobre OS MORADORES , tem um parágrafo que achei preconceituoso, na parte onde fala da moradora do 203, dizendo que aquela senhora devia ser viúva ou separada, entendi que o senhor nem sabia ao certo pra falar dela, e outra coisa disse que ela vivia fazendo plásticas. Se ela podia pagar as plásticas deixasse ela fazer, porque afinal o corpo e dela e ninguém tem nada aver com isso. Sem ofensas, mas acho que o senhor poderia ter pesquisado mais sobre esta moradora, assim, já que iria falar sobre ela , falasse a verdade.
Tem outro trecho do livro na pág. treze, que e sobre A PATOTA, ficou legal o senhor descreveu cada um dos personagens, mas quando chegou a vez do senhor na representação do Pedrinho, disse que não ficava bem falar de si próprio, ai eu nãoconcordo , pois eu como leitor, fiquei curioso e na expectativa de saber a sua opinião a seu respeito. O senhor poderia ter falado sim, de si próprio nem que fosse pra se defender, já que o senhor passou a palavra para a mulheres que convivem a sua volta. Elas te chamaram de garoto ingênuo, débil mental e pão.
Na sua opinião aquilo era verdade (ponto de interrogação ) ou não(ponto de interrogação).
Na pág. desseseis , no primeiro parágrafo o senhor fala sobre brincadeiras de crianças, e concordo com o senhor quando diz que adultos não sabem o que e brincadeira , ou então se esqueceram . Porque adulto esquece aquilo que nao lhe convém ,estou falando por experiência própria, porque eu gostava de aprontar quando era criança, e então tomei muito sermão de meus pais, ate parece que elestambém não aprontaram quando eram crianças, duvido que não.
No trecho da historia , pág. vinte e dois e vinte trez quando o senhor fala sobre os meninos e adolescente, que tiveram a imaginação de realizarem uma brincadeira que seria, retirar o toca fitas de um carro na garagem do prédio onde moravam., nesse momento, fiquei que indignado com a atitude do senhor, (Pedrinho) em aceitar aparticipar de uma brincadeira que precentia que todos, iriam ter problemas e pior, aceitou, sem ao menos questionar sobre os riscos. E ainda participou contra a vontade , dava a impressão, que so participaria para agradar aos colegas, e foi o que confirmou mais adiante. Poderia dizer que não aceitaria aquela brincadeira ,pois na minha opinião, ficou claro desde o inicio, que aquela atitude não era...
tracking img