Burocracia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 15 (3655 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de agosto de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
PENSATA ORGANIZAÇÕES MODERNAS E A BUROCRACIA: UM A “AFINIDADE ELETIVA”?

Por: Fátima Regina Ney Matos, UFPE Afonso Carneiro Lima, USP

RAE-eletrônica, v. 6, n. 2, Art. 14, jul./dez. 2007

http://www.rae.com.br/eletronica/index.cfm?FuseAction=PENSATA&ID=4669&Secao=ARTIGOS& Volume=6&Numero=2&Ano=2007

©Copyright, 2007, RAE-eletrônica. Todos os direitos, inclusive de tradução, sãoreservados. É permitido citar parte de artigos sem autorização prévia desde que seja identificada a fonte. A reprodução total de artigos é proibida. Os artigos só devem ser usados para uso pessoal e nãocomercial. Em caso de dúvidas, consulte a redação: raeredacao@fgvsp.br. A RAE-eletrônica é a revista on- line da FGV-EAESP, totalmente aberta e criada com o objetivo de agilizar a veiculação de trabalhosinéditos. Lançada em janeiro de 2002, com perfil acadêmico, é dedicada a professores, pesquisadores e estudantes. Para mais informações consulte o site www.rae.com.br/eletronica.

RAE-eletrônica ISSN 1676-5648 ©2007 Fundação Getulio Vargas – Escola de Administração de Empresas de São Paulo.

PENSATA - ORGANIZAÇÕES MODERNAS E A BUROCRACIA: UMA “AFINIDADE ELETIVA”?
Fátima Regina Ney Matos - AfonsoCarneiro Lima

A expressão “afinidade eletiva” é tomada de empréstimo da alquimia. Por essa razão, ela é mais facilmente encontrada em textos de esoterismos do que nos compêndios ou dicionários de ciências sociais ou filosofia. No século XIII, Alberto Magno, filósofo escolástico, utilizou o termo latino affinitas com o intuito de explicar uma “atração análoga à atração molecular que produz ascombinações químicas” (Lalande, 1999, p. 35). Neste trabalho, entendemos por “afinidades eletivas” na acepção proposta por Löwy (1989), o qual procurou a integração das diferentes definições e explicações que foram acrescentadas à expressão ao longo dos séculos. “Designamos por ‘afinidade eletiva’ um tipo muito particular de relação dialética que se estabelece entre duas configurações sociais ouculturais não redutíveis à determinação causal direta ou ‘influência’ no sentido tradicional” (Löwy,1989, p. 13 – grifado no original). Assim sendo, consideramos que, entre as organizações modernas e a burocracia, há uma “afinidade eletiva”, uma relação dialética e não dicotômica, uma atração recíproca que propicia uma união mantida pela eficiência, na qual não podem ser objetivamente indicadascausas e/ou efeitos de uma sobre a outra, mas sim uma convergência entre ambas. Antes de identificarmos os aspectos que apresentam uma “afinidade eletiva”, consideramos oportuno discorrer detalhadamente sobre o adjetivo qualificativo “modernas” que acompanha o substantivo “organizações”.

Resgatando as origens da modernidade Como período histórico, a Idade Moderna teve início com a queda deConstantinopla, em 1453, encontrando seu fim com a Revolução Francesa, em 1789. A partir de então, até os dias atuais, o período histórico é denominado Idade Contemporânea (Cotrim, 1996, p. 15). Há controvérsias quanto aos marcos definidores da Idade Moderna. Burns (1963, p. 444), por exemplo, considera que ela teve início em 1517, com a Reforma Protestante, perdurando, em sua visão, até os dias atuais.Embora, no campo da História haja discordâncias, parece claro que como época econômica, política e social a modernidade ainda está em vigor. As principais características da modernidade foram o advento do capitalismo, com a Revolução Comercial, na área econômica; o surgimento das monarquias nacionais absolutistas, na área política; e, na área social, “a crescente igualdade e fluidez das classes.[...] É certo que ainda se prezavam certos títulos e atributos da nobreza, mas o ingresso nessa classe já não era estritamente condicionado pelo acaso do nascimento” (Burns, 1963, p. 510). Foi ainda durante esse período que ocorreram o

© RAE- eletrônica - v. 6, n. 2, Art.14, jul./dez. 2007

www.rae.com.br/eletronica

2

PENSATA - ORGANIZAÇÕES MODERNAS E A BUROCRACIA: UMA “AFINIDADE...
tracking img