Biografia de d.dinis

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1258 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de fevereiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Tema: Biografia de um rei de Portugal da 1ª dinastia (D.Dinis)
Disciplina: História


Ano letivo: 2011/ 2012 Data: 23 Abril 2012

Índice

Índice
Introdução 4
D. Dinis 5
Conclusão 10
Bibliografia 11

Introdução

Neste trabalho de História, foi nosproposto realizar um trabalho sobre um rei de Portugal da primeira Dinastia, no nosso caso, escolhemos o D. Dinis.
Decidimos procurar em vários livros, e também em vários sites da internet, dividindo as tarefas pelas duas alunas, ao longo do trabalho vamos conhecer melhor a vida deste rei e também a forma como chegou ao trono.
Como já tínhamos abordado sobre este rei numa aula, foi mais fácil deprocurar a informação.
Esperemos que gostem e aprendam com o nosso trabalho!

D. Dinis

O rei D. Dinis foi o sexto rei da Primeira Dinastia, esta chamava-se Afonsina porque começou com o rei D. Afonso Henriques. Nasceu em Santarém a 9 de Outubro de 1261 e faleceu em 1325.
Educado desde pequeno para sei rei, este monarca deixou na história grande quantidade de medidas que, sobre alguns aspetos,foram revolucionárias no seu tempo.
Filho de D. Afonso III de Portugal e da infanta D. Beatriz de Castela, D. Dinis, começou a reinar muito cedo por causa da morte de seu pai, com 18 anos (1279), foi aclamado em Lisboa para iniciar um longo reinado de 46 anos.

D.Dinis,foi o primeiro rei a não ter que se preocupar com a expansão territorial, procurou apenas lutar contra os privilégiosque, de alguma forma, iam contra a sua autoridade.

Casou em 1282com D. Isabel de Aragão que lhe deu dois filhos.

D. Isabel de Aragão
D. Beatriz de Castela
Afonso III






Incomodado com os tempos que se viviam de desordem governativa, D. Dinis começou por impor um certo rigor, centralizando o poder de modo a melhor controlar o que se passavano seu país. Normalizou as tensas relações com a Santa Sé, após longas e morosas negociações, de que resultou a Concordata de 7 de Abril de 1289.
Tentando revitalizar a vida económica do reino, procurou reorganizar a administração interna, elaborando todo um conjunto de leis baseadas na realidade política, económica e social do país, combinadas sempre com uma forte atuação humana.
Normalizouas relações com Castela, entre os dois monarcas (D. Dinis e D. Fernando IV de Castela), através do Tratado de Alcanices, a 12 de Setembro de 1297, que fixou os limites definitivos do território português (fronteira de leste com a incorporação das praças alentejanas junto ao Guadiana).
Quem tentava sempre acabar com estes problemas era a rainha Santa Isabel, uma mulher muito religiosa e que sededicava a ajudar os pobres e os inocentes.
No mesmo ano aprova a criação de uma associação mutualista agrícola em Beja. Amplia a Confraria do Espírito Santo, fundada em Portalegre no reinado do anterior.
Em 1286 proíbe à Igreja a compra de bens de raiz, apoiou a Ordem de Sant’Iago, transformando a Ordem dos Templários em Ordem de Cristo, salvaguardando assim a sua continuidade.
Em 1293 aprova acriação da Bolsa dos Mercadores e julga os conflitos entre Castela e os pretendentes legitimistas ao trono.
Nomeia, em 1307, o primeiro almirante de Portugal, Nuno Fernandes Coutinho. Em 1317, encarrega o genovês Manuel Pessanha de desenvolver e comandar a Marinha Portuguesa.


Ganhou as terras de Serpa e de Moura e respetivos castelos e a reformulação das fronteiras das terras de Ribacôa.Tentou, povoar o Alentejo e enriqueceu o país com cerca de 50 novos castelos, para além dos muitos que recuperou e melhorou.
Protegeu a agricultura, a pesca e o comércio, alargou o pinhal de Leiria, desenvolveu a Marinha, disciplinou a administração pública, tendo para isso efetuado diversas Inquirições.
D. Dinis tomou uma série de medidas quanto à proteção da agricultura, da pesca e do...
tracking img