As origens do totalitarismo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 196 (48766 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
HANNAH ARENDT

ORIGENS DO TOTALITARISMO
Tradução: ROBERTO RAPOSO
3° reimpressão CQMPANHIA DAS LETRAS

Copyright © 1973, 1968, 1966, 1958, 1951, 1949 by Hannah Arendt Copyright renovado 1979 by Mary McCarthy West Published by arrangement with Harcourt Brace Jovanovich, Inc. Título original: The origins of totalitarianism Capa: Moema Cavalcanti Foto da capa: Patrícia de Filippi e FranciscoOtoni Preparação: Mário Vilela Revisão: Vera Lúcia de Freitas Otacílio Nunes Jr.
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Arendt, Hannah, 1906-1975. Origens do totalitarismo : Hannah Arendt; tradução Roberto Raposo. — São Paulo : Companhia das Letras, 1989. Bibliografia. ISBN 85-7154-065-3 1. Anti-semitismo. 2. Imperialismo. 3. TotalitarismoI. Título. 89-1588 CDD-321.9 -305.8924 _________________________________________________-325.32 índices para catálogo sistemático: 1. Anti-semitismo: Sociologia 305.8924 2. Imperialismo: Ciência política 325.32 3. Totalitarismo : Ciência política 321.9

1998 Todos os direitos desta edição reservados à
EDITORA SCHWARCZ LTDA.

Rua Bandeira Paulista, 702, cj. 72 04532-002 — São Paulo — SPTelefone: (011) 866-0801 Fax:(011)866-0814 e-mail: coletras@mtecnetsp.com.br A Heinrich Blücher

Weder dem Vergangenen anheimfallen noch dem Zukünftigen. Es kommt darauf ein ganz gegenwàrtig zu sein. Karl Jaspers Não almejar nem os que passaram nem os que virão. Importa ser de seu próprio tempo.

I

ÍNDICE
Prefácio à primeira edição...................................... 11 Parte IANTI-SEMITISMO Prefácio..................................................... 17 1. O anti-semitismo como uma ofensa ao bom senso .................. 23 2. Os judeus, o Estado-nação e o nascimento do anti-semitismo......... 31 3. Os judeus e a sociedade........................................ 76 4. O Caso Dreyfus .............................................. 111 Parte II IMPERIALISMOPrefácio..................................................... 147 1. A emancipação política da burguesia............................. 153 2. O pensamento racial antes do racismo............................ 188 3. Raça e burocracia ............................................ 215 4. O imperialismo continental: os movimentos de unificação ........... 253 5. O declínio do Estado-nação e o fim dos direitos do homem ..........300 Parte III TOTALITARISMO Prefácio..................................................... 339 1. Uma sociedade sem classes..................................... 355 2. O movimento totalitário ....................................... 390 3. O totalitarismo no poder....................................... 439 4. Ideologia e terror: uma nova forma de governo..................... 512Bibliografia.................................................. 533

PREFÁCIO À PRIMEIRA EDIÇÃO
Duas guerras mundiais em uma geração, separadas por uma série ininterrupta de guerras locais e revoluções, seguidas de nenhum tratado de paz para os vencidos e de nenhuma trégua para os vencedores, levaram à antevisão de uma terceira guerra mundial entre as duas potências que ainda restavam. O momento de expectativa écomo a calma que sobrevém quando não há mais esperança. Já não ansiámos por uma eventual restauração da antiga ordem do mundo com todas as suas tradições, nem pela reintegração das massas, arremessadas ao caos produzido pela violência das guerras e revoluções e pela progressiva decadência do que sobrou. Nas mais diversas condições e nas circunstâncias mais diferentes, contemplamos apenas a evoluçãodos fenômenos — entre eles o que resulta no problema de refugiados, gente destituída de lar em número sem precedentes, gente desprovida de raízes em intensidade inaudita. Nunca antes nosso futuro foi mais imprevisível, nunca dependemos tanto de forças políticas que podem a qualquer instante fugir às regras do bom senso e do interesse próprio — forças que pareceriam insanas se fossem medidas...
tracking img