Artigo anemia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1257 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
TITULO

Objetivo


Métodos


Resultados


Conclusão







INTRODUÇÃO

A carência de ferro é a deficiência nutricional mais comum em países desenvolvidos

ou em desenvolvimento, constituindo um problema importante de saúde pública no Brasil e

no mundo.1 Nos Estados Unidos, a prevalência de carência de ferro é de 5% nos homens adultos e 14% em mulheresadultas, enquanto a anemia ferropriva é de 3% nos homens e 4% a 6% em mulheres adultas.2 Em alguns estudos conduzidos em favelas em Alagoas (AL) constatou-se que quase 50% das crianças apresentam o quadro de desnutrição crônica e mais de 93% são acometidas pela anemia.3 Existem estimativas de mais de meio bilhão de pessoas com deficiência de ferro no mundo. Em última análise, as anemias por carência deferro resultam de uma disparidade entre a disponibilidade e a demanda do nutriente. A anemia é uma manifestação tardia e insidiosa da carência, que surge quando as reservas orgânicas esgotam-se em virtude do balanço negativo. O tempo necessário para que a carência se manifeste na forma de anemia depende de numerosos fatores, os mais importantes são a magnitude dos depósitos e o grau dedesequilíbrio do ferro.4 São eventualmente observadas na carência de ferro, especialmente alterações dos epitélios, boca (estomatite angular), língua (glossite, atrofia papilar), hipofaringe (disfagia), estômago (acloridria e gastrite), pele, unha (coiloniquia) e cabelos; sua relação com a deficiência de ferro na célula é controvertida.4
Os principais sinais e sintomas decorrentes da anemiapropriamente dita incluem: palidez, cansaço, adinamia, sonolência , cefaléia, tonturas, zumbido no ouvido, alterações da visão,dispnéia, batedeira, audição intermitente e baixo desempenho no trabalho. Entretanto, outras manifestações clínicas originam-se provavelmente da carência de outros compostos que contêm ferro e incluem em ordem decrescente de freqüência: gastrite atrófica (75%), glossite eatrofia papilar(50%), coiloníquia (18%), estomatite e queilite angular (14%).5
Além disso, existem manifestações que estão relacionadas a carência de ferro no sistema nervoso, que incluem anormalidades cognitivas em crianças e o pico, que aparece em crianças e adultos, que é a compulsão para ingerir substâncias não-nutritivas como terra, argila ou cabelo.6 A pagofagia, que évariante do pico associada à ingestão de gelo, parece ser altamente especifica da carência de ferro e desaparece em alguns dias, após o início do tratamento.7
Genericamente, as causas de carências podem ser classificadas em:
• menor ingestão do nutriente;
• menor absorção intestinal;
• defeitos do transporte ou metabolismo que resultam em menor oferta efetiva do nutriente para amedula óssea;
• aumento da excreção ou das perdas;
• aumento das necessidades fisiológicas ou patológicas.4
A quantidade de ferro da dieta é bastante variável. Homens americanos ingerem de 10 a 20mg de ferro diariamente,8 embora a necessidades de um homem adulto em condições normais não ultrapasse 2mg. Necessidades maiores são devidas ao período de gravidez e crescimento ou a perdassanguíneas. Em mulheres, a causa mais comum é a perda de sangue menstrual, que em média é de 25ml por período menstrual, sendo o valor máximo normal de 80ml.9
Os exemplos mais comuns de anemia ferropriva em adultos provocada por sangramentos anormais são representados por úlcera péptica, carcinomas do estômago ou do cólon, hemorróidas, parasitose pelo ancislostoma ou necátor. Em nosso país, provavelmentea causa mais freqüente é a ancilostomíase aliada á subnutrição.4
A dieta normal fornece 10 a 20mg de ferro por dia, dos quais 5% a 10% são absorvidos, especialmente no duodeno e jejuno proximal, o que contrabalança as perdas diárias de 1mg no homem e 2mg na mulher. A carência de ferro de origem exclusivamente alimentar é rara, pois a porcentagem do ferro absorvida da...
tracking img