Agronomo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 8 (1848 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 31 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
1. Interferência das plantas daninhas na cultura da cana

Manejo de plantas daninhas na cultura da cana-de-açúcar
- Redução do rendimento pode alcançar 0 a 86% da produtividade potencial no Brasil

Interferência de 86%

Interferência de 0%

2. Interferência e controle das plantas daninhas variam:

a. Tipo de infestação limitante
GRAMÍNEAS ANUAIS: Capim-colchão Capim-marmeladaCapim-pé-de-galinha Capim-carrapicho Capim-amargoso Capim-camalote Digitaria spp Brachiaria plantaginea Eleusine indica Cenchrus echinatus Digitaria insularis Rottboelia exaltata

a. Tipo de infestação limitante b. Pressão de infestação c. Atributos do solo d. Modalidade de cultivo e. Estádio fenológico da cultura e pl. daninha f. Variedades cultivadas g. Característica físicas e químicas do herbicidaCapim-pé-de-galinha

Ciclo de vida das plantas daninhas anuais
florescimento crescimento e captura de recursos do meio planta vegetando planta madura

“entradas” X “saídas”
Bidens 3.450 sem/pl 3 – 6% germinam

produção de semente CICLO DE VIDA DAS PLANTAS dispersão DANINHAS ANUAIS mortalidade

emergência dos seedlings germinação

Eficácia préemergente (%)

banco de sementesdormência

Caruru-roxo

1

Problemática do capim-colchão(Digitaria spp) na cultura da cana-de-açúcar

GRAMÍNEAS PERENES: Capim-braquiária Capim-colonião Grama-seda Capim-massambará Capim-fino Brachiaria decumbens Panicum maximum Cynodon dactylon Sorghum halepense Brachiaria purpuracens

Ciclo de vida das plantas daninhas
FOLHAS LARGAS:
seedlings Reprodução sexuada florescimentoPerenização e crescimento Perenização Crescimento Reprodução assexuada Propágulos vegetativos dispersão dormência perfilhamento Formação dos propágulos vegetativos sementes

Caruru Picão-preto Beldroega Apaga-fogo Carrapichinho Carrapicho-de-carneiro Mentrasto Falsa-serralha Corda-de-viola Guanxuma Poaia-branca CIPERÁCEAS Tiririca COMELINÁCEAS Trapoeraba

-

Amaranthus spp Bidens pilosa Portulacaoleracea Althernalthera ficoidea Acanthospermum australe Acanthospermum hispidum Ageratum conyzoides Emilia sonchifolia Ipomoea spp Sida spp Richardia brasiliensis Cyperus rotundus Commelina benghalensis
Corda-de-viola

estabelecimento

b. Pressão de infestação
Inflorecência folhas

shoot Bulbo basal tubérculos rizomas Novos rizomas

- cana-planta - cana-soca - (“seca” x “úmida”) - áreasocupadas por pastagens - áreas tradicionais (baixa infestação)

Magalhães (1965) – taxa de multiplicação de 10 x em 60 dias;
Em condições favoráveis = 30 a 40 milhões tub./ha/ciclo;

Bhardwaj & Verma (1968) – absorve 95,6 kg de N/ha, 11,6 kg P2O5/ha e 49,3 kg K2O/ha.

Cana-planta

Cana-soca

2

Herbicidas no sistema de produção
c. Atributos do solo afeta: - dinâmica dos herbicidasaplicados ao solo: • Interação com as propriedades fisicoquímica dos herbicidas • Interfere na eficácia do herbicida no controle das plantas daninhas • Seletividade para a cultura
Clima: Temp., H2O
Herbicida
ATMOSFERA
HER

Tecn. de aplicação

Clima: UR, Vento

Cultura/planta daninha
HER HER HER

HER

Microrganismos

HER HER HER

Umidade pH M.O.S

CTC Textura
SOLO

Eficácia eseletividade do tratamento

Características relacionadas a herbicidas que apresentam boa dinâmica em solo seco
EFEITO DA UMIDADE DO SOLO NA DISPONIBILIDADE DOS HERBICIDAS Ausência de volatilidade Não degradado pela luz solar Alta solubilidade Baixa adsorção aos colóides do solo Longo período de controle (>120 dias)
SOLO H2O ar SOLO H2O ar Solo úmido Solo seco

d. Modalidade de cultivoPLANTIO DE CANA DE ANO E MEIO
JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN.

PLANTIO DE CANA DE ANO
140 120 100 80

Extrato do Balanço Hídrico Mensal Piracicaba - SP
http://ce.esalq.usp.br/dce/nurma.htm PLANTIO DE

CORTE-SAFRA
JUL. AGO. SET. OUT. NOV. DEZ.

PLANTIO DE CANA DE ANO E MEIO

CANA DE ANO CORTE-SAFRA

MANEJO EM CANA-PLANTA

MANEJO EM CANA-PLANTA

mm

60

Alta temperatura Alta...
tracking img