laudo pericial criminal

634 palavras 3 páginas
No estado de natureza, segundo Hobbes, os homens podem todas as coisas e, para tanto, utilizam-se de todos os meios para atingi-las. Conforme esse autor, os homens são maus por natureza (o homem é o lobo do próprio homem), pois possuem um poder de violência ilimitado.

Um homem só se impõe a outro homem pela força; a posse de algum objeto não pode ser dividida ou compartilhada. Num primeiro momento, quando se dá a disputa, a competição e a obtenção de algum bem, a força é usada para conquistar. Não sendo suficiente, já que nada lhe garante assegurar o bom usufruto do bem, o conquistador utiliza-se da força para manter este bem (recorre à violência em prol da segurança desse bem).

Em decorrência desse bom uso das faculdades naturais (para a conquista de algum bem é feito o bom uso da razão, da paixão, da experiência e da força física), forma-se uma reputação que nada mais é do que ver expresso pelos outros aquele reconhecimento valorativo que se autoconfere (vanglória). Esse reconhecimento é também causa da discórdia, porque nenhum homem se vê inferior aos outros e, por isso, impõe-se violentamente sobre os outros como superior.

Assim, e por causa da pouca diferença física ou intelectual entre os homens no estado natural, Hobbes percebe que nessa condição tudo é possível, já que não há regras que impeçam os homens de tomar o que é de outrem, nem que os impeçam de infligir sofrimento ao outro. Todo homem é potencialmente uma ameaça a outro homem e esta é aceita passiva ou ativamente. As paixões são subjetivas e inumeráveis, mas todas tendem a um fim máximo: a preservação da vida e a supressão da dor. Isso permite um convívio com os outros numa relação de ajuda mútua para a manutenção desse fim. Mas ainda assim há outras relações que têm fins diferentes. Mesmo promovendo uma regulação que mantenha o respeito e a ordem, cabe decidir quem promoverá essa regulação. Essa disputa que transcende o indivíduo e engloba grupos de indivíduos, e que também vê nessa

Relacionados

  • LAUDO E PARECER PERICIAL
    2663 palavras | 11 páginas
  • Dos exames de corpo delito
    2068 palavras | 9 páginas
  • Perícia criminal: uma abordagem de serviços
    11522 palavras | 47 páginas
  • Segurança
    744 palavras | 3 páginas
  • A import ncia da Per cia para o C digo Processo Penal 2
    2630 palavras | 11 páginas
  • Perícia Federal Criminal Contábil
    10223 palavras | 41 páginas
  • Trabalho processopenal - pericia
    1509 palavras | 7 páginas
  • Perícia criminal como instrumento essencial nas políticas criminais de segurança pública
    14927 palavras | 60 páginas
  • M DULO III PER CIA JUDICIAL
    4544 palavras | 19 páginas
  • A perícia criminal na elucidação do delito
    13426 palavras | 54 páginas