homem cordial

Páginas: 2 (254 palavras) Publicado: 27 de abril de 2015
Conflito entre Antígona e Creonte
O Estado não é uma ampliação do circulo familiar, os dois pertencem a ordens diferentes em essência. É pela transgressão daordem doméstica e familiar que nasce o Estado e que o simples indivíduo se faz cidadão, contribuinte, eleitor, elegível, recrutável e responsá­vel, ante as leisda Cidade. Há nesse fato um triunfo do geral sobre o particular, do intelectual sobre o material.
Antígona - Sepultando Polinice contra as ordenações do Estado,atrai sobre si a cólera do irmão, que não age em nome de sua vontade pessoal, mas da suposta vontade geral dos cidadãos.
Prática: E todo aquele que acima daPátria. Coloca seu amigo, eu o terei por nulo.
Creonte - Encarna a noção abstrata, impessoal da Cidade em luta contra essa realidade concreta e tangível que é afamília.
O autor cria uma comparação da relação entre empregados e empregadores, que antes do moderno sistema industrial seguida uma hierarquia entre mestres eaprendizes, que partilhavam das mesmas privações e conforto. Após esse novo sistema industrial houve a separação dos patrões e empregados, criando desta forma oantagonismo de classes. O novo regime tornava mais fácil ao capitalismo explorar o trabalho de seus empregados a troco de salários infimos.
Para o empregador modernoo empregado transforma-se em um simples número: a relação humana desapareceu. Hoje existe toda uma hierarquia de funcionários e autoridades representados pelosuperintendente da usina, o diretor-geral, o presidente da corporação, a junta executiva do conselho de diretoria e o próprio conselho de diretoria.
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • O HOMEM CORDIAL
  • O Homem Cordial
  • O homem cordial
  • O homem cordial
  • O homem Cordial
  • o homem cordial
  • homem cordial
  • O homem Cordial

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!