Fichamento pierre clastres (a sociedade contra o estado e arqueologia da violência)

Páginas: 14 (3412 palavras) Publicado: 2 de maio de 2013
Arqueologia da violência – Pierre Clastres.
A questão do poder nas sociedades primitivas.
- Primeira definição de sociedade primitiva: comunidades em que no interior das quais não se verifica uma divisão de seus membros entre dominantes e dominados, exploradores e explorados, entre os que comandam e os que obedecem:
Características da sociedade primitiva:

1. Ausência de Estado:
Sociedadesprimitivas são aquelas onde não existe o Estado, onde não há uma divisão entre a própria sociedade e o poder político. Logo, pode-se classificar as sociedades em dois grupos: as que possuem o Estado e aquelas que não o possuem, que são as sociedades primitivas.
2. Ausência de divisão de classes:
Todas as sociedades com Estado são divididas entre dominantes e dominados, já as sociedades primitivas,desconhecem essa divisão, podemos dizer que são homogêneas porque o poder não é um órgão em separado do corpo social, o poder político é do grupo, para o grupo. Assim, existe uma igualdade entre os indivíduos, independente do sexo, da descendência.
O Estado como definidor de ‘humanização’:
- Prejuízo do Darwinismo social à Antropologia política: As sociedades primitivas vistas como comunidadeshumanas à beira da animalidade, compartilhando da rudeza e da cegueira instintiva do mundo animal.
De acordo com o pensamento grego clássico, o homem é um ser naturalmente político e a política é o exercício de poder de uma parte do grupo sobre a outra, a relação de dominados e dominadores seria então inata ao ser humano e a existência do rei imprescindível de acordo com os filósofos gregos.Então, a possibilidade de existência de um grupamento social sem a figura de um rei, é rejeitada, como se estas formas de sociedade fossem ‘não-sociedades’, considerando assim estes grupos uma conjunção humana com características animalizadas.
Com essa mentalidade, os europeus que aportaram na América e se depararam com esse novo modelo social, onde o chefe não tinha poder sobre a tribo, osdefiniram como selvagens, tendo em vista que eram povos “sem fé, sem lei, sem rei”.
- O paradigma relativista permitiu que as sociedades primitivas fossem “levadas a sério”, ou seja, estudadas a partir de sua coerência e inventividade próprias, e não mais à luz das sociedades modernas:
Com o paradigma relativista, que quebra com a ideia de hierarquia social pregada pelo Darwinismo social, e que emrazão deste justificou-se o extermínio e a escravização dos índios americanos, e de acordo com aquele as sociedades devem ser analisadas a partir de sua realidade e não de acordo com a referência etnocêntrica, a cultura ‘anti-Estado’ das sociedades primitivas foi entendida e a figura do chefe foi descrita, tais sociedades têm em seus chefes uma espécie de porta-voz da vontade coletiva e de‘diplomata’. As sociedades primitivas possuem cultura e organização própria independente da existência do Estado e o relativismo cultural permitiu ver essa forma de organização e respeitá-lo como forma de grupo social, respeitando sua ‘forma’ cultural em detrimento do Darwinismo social.
- A unidade como valor jurídico fundamental

Nessas sociedades há a valorização da unidade do corpo social e do poder,porque a sociedade o detém, pois como dito anteriormente garante-se assim a igualdade entre os indivíduos, e a figura do chefe desprovido de poder é determinante neste aspecto, pois ele é o encarregado de verbalizar a vontade coletiva, não a dele própria, o esforço é voltado, pois entendem que a partir do momento em que é rompida essa coesão social, tornaria o grupo dividido em dominantes edominados e acabariam assim por perder sua liberdade.

- Esforço institucional das sociedades primitivas para “deter” o poder, impedir sua desvinculação do corpo social, fazendo-se corpo separado:

Como dito anteriormente, há o esforço institucional da sociedade primitiva para barrar a concentração de poder e a divisão de classes dentro da tribo, pois surgiria então o Estado, com hierarquia e a...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • A Sociedade Contra o Estado
  • Pierre clastres arqueologia da violencia
  • Resenha Critica A Sociedade contra o Estado
  • Sociedade contra o estado- resumo- pierre clastres
  • Resumo "a sociedade contra o estado"
  • RESENHA CRÍTICA A SOCIEDADE CONTRA O ESTADO PIERRE CLASTRES
  • resumo de pierre clastres a sociedade contra o estado
  • Etnocidio

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!