fgff

Páginas: 149 (37041 palavras) Publicado: 6 de agosto de 2014
DADOS DE COPYRIGHT
Sobre a obra:
A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros, com o
objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudos acadêmicos, bem como
o simples teste da qualidade da obra, com o fim exclusivo de compra futura.
É expressamente proibida e totalmente repudíavel a venda, aluguel, ou quaisquer uso
comercial dopresente conteúdo

Sobre nós:
O Le Livros e seus parceiros disponibilizam conteúdo de dominio publico e propriedade
intelectual de forma totalmente gratuita, por acreditar que o conhecimento e a educação devem
ser acessíveis e livres a toda e qualquer pessoa. Você pode encontrar mais obras em nosso
site: LeLivros.us ou em qualquer um dos sites parceiros apresentados neste link.
"Quando o mundoestiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutando por
dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novo nível."

Gabriel García Márquez
A Incrível e Triste História
da Cândida Eréndira
e da sua Avó Desalmada

Diário de Notícias
Título original:
La increíbley triste historia de la cândida
Eréndira y su abuela desalmada
Tradução de
Pilar Delvaulx
Traduçãocedida por
Publicações Europa-América, Lda.

© 1972 Gabriel Garcia Márquez
2003 BIBLIOTEX EDITOR, S.L., para esta edição
Prémio Nobel 1982

Índice
Um senhor muito velho com umas asas muito grandes
O mar do tempo perdido
O afogado mais formoso do mundo
Morte constante para além do amor
A última viagem do navio fantasma
Blacamán, o bom vendedor de milagres
A incrível e tristehistória da cândida Eréndira e da sua avó desalmada

Um senhor muito velho com umas asas muito grandes

No terceiro dia de chuva tinham matado tantos caranguejos dentro de casa que Pelayo
teve de atravessar o seu pátio inundado para atirá-los ao mar, pois o bebé recém-nascido
tinha passado a noite com febre e pensava-se que era por causa da pestilência. O mundo
estava triste desde terça-feira. Océu e o mar eram uma única e mesma coisa de cinza e as
areias da praia, que em Março resplandeciam como poeira de luz, tinham-se transformado
numa papa de lodo e mariscos podres. A luz era tão fraca ao meio-dia que, quando Pelayo
regressava a casa depois de ter deitado fora os caranguejos, teve dificuldade em ver o que
era que se movia e gemia no fundo do pátio. Teve de aproximar-se muito, paradescobrir
que era um homem velho, que estava caído de borco no lodaçal e que, apesar dos seus
grandes esforços, não podia levantar-se, porque lho impediam as suas enormes asas.
Assustado por aquela visão aflitiva, Pelayo correu em busca de Elisenda, sua mulher,
que estava a pôr compressas ao bebé doente, e levou-a até ao fundo do pátio. Ambos
observaram o corpo caído com um silencioso pasmo.Estava vestido como um trapeiro.
Não lhe restavam mais do que uns fiapos descoloridos no crânio pelado e pouquíssimos
dentes na boca, e essa lastimosa condição de bisavô ensopado tinha-o desprovido de
qualquer grandeza. As suas asas de abutre velho, sujas e meio depenadas, estavam
encalhadas para sempre no lodaçal. Tanto o observaram, e com tanta atenção, que Pelayo
e Elisenda muitorapidamente se recompuseram do assombro e acabaram por achá-lo
familiar. Então atreveram-se a falar-lhe, e ele respondeu-lhes num dialecto
incompreensível, mas com uma boa voz de navegante. Foi por isso que deixaram de
preocupar-se com o inconveniente das asas e chegaram à sensata conclusão de que era um
náufrago solitário de algum navio estrangeiro, desfeito pelo temporal. Contudo,
chamaram, para queo visse, uma vizinha que sabia todas as coisas da vida e da morte, e a
ela chegou-lhe um olhar para tirá-los do engano.
- É um anjo - disse-lhes. - Com certeza vinha por causa da criança, mas o desgraçado
está tão velho que a chuva o fez cair.
No dia seguinte toda a gente sabia que em casa de Pelayo tinham cativo um anjo de
carne e osso. Contra o critério da vizinha sábia, para quem os...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!