As Filosofias Educacionais Na Educao Dos Surdos

Páginas: 63 (15601 palavras) Publicado: 27 de março de 2015
1

AS FILOSOFIAS EDUCACIONAIS NA EDUCAÇÃO DOS SURDOS:
UMA ANÁLISE DA PRÁTICA DOCENTE E DA INTERAÇÃO SURDO-OUVINTE
Danielle Caruline Sena da Silva1
Eurides Bomfim de Melo2
Tícia Cassiany Ferro Cavalcante3
RESUMO
O presente artigo tem como objetivo principal investigar o processo comunicativo
entre alunos surdos e ouvintes, docente e intérpretes inseridos em classes
regulares, do Ensino FundamentalI, buscando relacionar as características da
interação, com as Filosofias que perpassaram a Educação dos Surdos na prática
pedagógica. Para tal, participaram do presente estudo alunos e professores de
ensino fundamental de uma escola regular da cidade de Camaragibe-PE. Na
primeira sala de aula tinham três alunos Surdos e na segunda, dois alunos
Surdos. Foram feitas videografias das situações desala de aula, sem a
intervenção das pesquisadoras, com a proposta de analisar a prática pedagógica
das professoras. Optamos por realizar o recurso da videografia, para uma maior
fidedignidade e clareza na busca da gênese da situação retratada, no recorte da
realidade em questão. Foi possível perceber que apesar da existência da
intérprete, a prática pedagógica utilizada, não proporciona a Inclusãode fato, já
que as professoras deixam transparecer nas suas práticas, filosofias educacionais
para os Surdos que contribuem para um desenvolvimento parcial da comunicação
e aprendizagem significativa.
Palavras-Chave: educação; inclusão; Surdos; filosofias educacionais; intérprete;
língua brasileira de sinais (LIBRAS).

INTRODUÇÃO
A perspectiva de inclusão voltada para as pessoas com deficiência,inicia
seus primeiros passos, de forma significativa, por volta da década de 80 do século
XX, com a Declaração de Cuenca, cujo tema foi o direito à educação; à
participação e à plena igualdade de oportunidades para a pessoa com deficiência,

1

Concluinte de Pedagogia – Centro de Educação – UFPE. daniellecaruline@gmail.com
Concluinte de Pedagogia – Centro de Educação – UFPE.Eurides.melo@bol.com.br
3
Professora Adjunta do Departamento de Psicologia e Orientação Educacionais
ticiaferro@hotmail.com
2

da

UFPE.

2

bem como, a necessidade de relacionar o atendimento educacional adequado
com as características individuais de aprendizagem (CARVALHO, 2000).
A perspectiva inclusivista começa a ganhar mais força por volta da década
de 90 com a Declaração de Salamanca. Esta declaração éconsiderada um marco
no processo de inclusão, uma vez que destaca a importância de uma educação
pautada no direito e reconhecimento da língua natural do indivíduo e abre espaço
para a ampliação das políticas educacionais (SALLES, 2004).
A partir do reconhecimento da importância do respeito às diferenças, a
educação dos Surdos4 também teve uma evolução relevante. Um dos grandes
avanços consistiu naobrigatoriedade do ensino da Língua Brasileira de Sinais
(LIBRAS5) nos cursos de formação de professores em nível médio e superior,
como podemos observar no Decreto 5.626 de 22 de dezembro de 2005 que
regulamenta a lei N° 10.436 de 24 de abril de 2002.
Historicamente, o reconhecimento da LIBRAS como primeira língua dos
Surdos relaciona-se a sua diferenciação da língua de sinais utilizada pelos índiosUrubu-Kaapor (LSKB), comunidade indígena do Estado do Maranhão. Assim, na
década de 80 do século XX, a professora Linguista Lucinda Ferreira Brito, para
diferenciar a LIBRAS da língua utilizada pelos índios, a denominou de Língua de
Sinais dos Centros Urbanos Brasileiros (LSCB), que posteriormente viria a ser
denominada de LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais), tal abreviação criada pela
comunidadeSurda (GOLDFELD, 2001).
Segundo Tanya A. Felipe (1997), esta língua é de modalidade gestualvisual6, diferente da Língua Portuguesa dos ouvintes, que possuem uma
compreensão oral-auditiva. Já Quadros (2004) define que a LIBRAS é uma
modalidade comunicativa visual-espacial por se basear nas experiências visuais
das comunidades surdas.

4

O termo “Surdez” designa um grupo lingüístico e cultural, já o...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Estes textos também podem ser interessantes

  • As filosofias educacionais para surdos
  • Quais são as filosofias educacionais para o ensino dos surdos
  • Filosofias educacionais para desenvolvimento da linguagem de surdos
  • A surdez e as filosofias educacionais da educação dos surdos
  • Platão e a filosofia da edução
  • Modelos educacionais na educação de surdos
  • Modelos educacionais para a educação do Surdo
  • o SURDO E O PROCESSO EDUCACIONAL

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!