Adoolf

Páginas: 9 (2152 palavras) Publicado: 17 de setembro de 2014
17/9/2014

Mensagem de Impressão do Outlook.com

Imprimir

Fechar

Fwd:
De:
Eduarda de Araújo (dudaengmecanica@gmail.com)
Enviada: terça-feira, 16 de setembro de 2014 09:14:05
Para:
raquelocr@gmail.com; fiamamarinho@hotmail.com; carol_gsq@hotmail.com

---------- Mensagem encaminhada ---------De: Eduarda de Araújo
Data: segunda-feira, 15 de setembro de 2014
Assunto:
Para:hellywdo@bol.com.br
ADOLF LOOS: MODERNIDADE E TRADIÇÃO
EDUARDA;
Adolf Loos (1870-1933) é uma figura incontornável da história da arquitetura, tendo sido, se assim
se pode dizer, um dos mais incompreendidos arquitetos. Os seus escritos foram, sem dúvida,
provocatórios, radicais, dotados duma ironia perspicaz e, notavelmente, mais proeminentes que a sua
obra construída.
Entre 1893 e 1896 viajoupela Inglaterra e pela América, onde absorveu influência de nomes como
Louis Sullivan, ao familiarizar-se com os primórdios da Escola de Chicago.
Em 1896 voltou à Europa opondo-se rapidamente à Secessão Vienense e à Arte Nova, tecendo
grandes críticas a nomes como Otto Wagner e Henry van de Velde e classificando o ornamento, tão
explorado por este movimento, como um modo de mascarar amediocridade cultural e social.
Esta reflexão culmina com a publicação da obra “Ornamento e Crime”, em 1908, normalmente
classificada como um ataque feroz ao ornamento e na qual ele incorpora a história d’ “O Pobre
Homem Rico”, onde satiriza a narrativa de um homem de negócios que havia pedido a um arquiteto
que projeta-se totalmente a sua casa, incluindo a roupa dos seus habitantes (numa alusão àsroupas
criadas por van de Velde para a sua esposa). Neste conjunto de escritos Loos não trata apenas
arquitetura, mas áreas diversas da vida como: calçado, vestuário, cadeiras, sofás, etc.
Loos evidencia não só uma atitude de inovação radical mas, paralelamente, uma fidelidade à tradição
cultural. Este defendia que o ensino da arquitectura devia assentar num conhecimento consciente da
tradição,pois a arquitetura de cada tempo surge por si só, no desenvolvimento da História.
Loos morre em 1933, depois de ser oficialmente reconhecido como grande nome da arquitetura
vienense. A sua obra teve grande influência em arquitetos como Le Corbusier e Siza Vieira.
JHENYFER;
Adolf Loos nasce no ano de 1870 em Brünn (Brno, hoje, na República Checa), tendo sido
testemunha das duas décadas finais damonarquia imperial e real do Império Austro-Húngaro, estado
multicultural, onde se falavam diversas línguas. Viaja em 1983 até aos Estados Unidos da América,
para visitar a Chicago World Fair, e mora na terra das possibilidades infinitas de 1893 a 1896. Esta
viagem marca-o verdadeiramente pois é aqui que entra em contato com a Escola de Chicago e com
os escritos teóricos de Sullivan.
Parapodermos compreender a obra de Adolf Loos torna-se imperativo enquadrá-lo no seu tempo.
O século XIX é um século totalmente dramático para a arquitectura, que não apresenta novas
concepções e se afunda numa grave crise de estilo em detrimento da procura de uma arquitetura para
https://bay179.mail.live.com/ol/mail.mvc/PrintMessages?mkt=pt-br

1/4

17/9/2014

Mensagem de Impressão doOutlook.com

o seu tempo. Loos argumentava que o desejo dos arquitetos de reviver estilos do passado resultava
no fracasso em criar um estilo novo para a sua época. A defesa de um estilo antigo põe de parte essa
discussão da contemporaneidade da arquitetura e das exigências de um novo homem, assumindo-se
como uma tentativa de responder a uma crise social que se refletia inevitavelmente nestadisciplina,
que não estava a acompanhar o novo espírito emergente, o progresso industrial e as revoluções
sociais e políticas.
Existia a crença de que a História já tinha criado “todos os modos de fazer e pensar arquitetura” e
que não havia problema algum que não tivesse solução no passado. A arquitetura traduzia-se então
em colagens acríticas de estilos do passado, levando a uma expressão falsa...
Ler documento completo

Por favor, assinar para o acesso.

Seja um membro do Trabalhos Feitos

CADASTRE-SE AGORA!