O racionalismo de javert e a peculiaridade de hercule poirot

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1254 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de fevereiro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Faculdade Cambury Formosa
Curso: Tecnologia em Processos Gerenciais
Disciplina: Metodologia Científica
Professor (a): Juliano de Almeida Pirajá
Turma: Núcleo 1A
Acadêmico: Augusto dos Santos

O RACIONALISMO DE JAVERT E A PECULIARIDADE DE HERCULE POIROT

rESUMO: Este trabalho propõe comparar a personalidade, a vida profissional eexplicar a vivencia dos personagens: inspetor Javert, do romance Os Miseráveis, de Victor Hugo; e o detetive fictício de romances policiais: Hercule Poirot, de Agatha Christie, em diversos livros. De maneira que possamos visualizar o lado de inspetor no enredo: sua perseverança, suas crenças, sua historia, suas características, seu lado.

PALAVRAS CHAVE: Javert, inspetor, romance, policial,personalidade.

Comparação entre inspetor e detetive. Javert e Hercule Poirot colocados lado a lado, o mesmo objetivo de solucionar crimes, o mesmo desejo de encontrar o criminoso, de estar a favor da lei, mas diferente a maneira de cada qual lidar e agir com a investigação. Características, personalidade, vivência e a maneira de atuar em trabalho de cada personagem célebre, fundamentam suasindividualidades.
Um dos personagens principais do romance Os Miseráveis, de Victor Hugo, o inspetor Javert, é um policial metódico e racionalista ao extremo, dedica sua vida e sua honra plena à legislação. Cego pela lei e pela ordem, ele dedica a sua vida a combater o crime e a perseguir aqueles que, no sentido amplo da legislação, define como criminosos. Ele vê o mundo da maneira simplória de “Beme Mal”, com essa perspectiva, o personagem oprime qualquer compaixão legítima no decorrer do romance.
Já Hercule Poirot, um dos detetives mais aclamados de Agatha Christie, e protagonista de diversas obras da escritora, é um belga extravagante, meticuloso, perfeccionista, cheio de manias. Um ser aprumado em sua maneira de se vestir, comer, pensar e agir. Características estas que o tornamexcêntrico, chegando a ser bastante exótico, sem contar, claro, sua falta de modéstia. Poirot diz resolver um caso “apenas sentado na sua poltrona”.
Principal antagonista de Os Miseráveis, Javert nasceu em uma prisão, sua mãe era uma cartomante, e seu pai um condenado a trabalhos forçados nas galés. Ao decorrer de sua vida definiu o mundo em apenas três categorias: a sociedade, os que estão contraela e os que a defendem. Era um homem que se julgava não se integrar à sociedade, então como lhe sobravam apenas duas opções, escolheu aquilo que julgava ser “bem”. Entrou para a polícia e teve uma carreira excepcional: em sua juventude era vigia dos condenados do sul, e aos quarenta anos já era inspetor.
Certos membros da polícia têm uma fisionomia característica,mesclada a um ar de baixeza e a um ar de autoridade. Javert tinha essa fisionomia, menos a baixeza.[1]

A autoridade do policial era aparente por qualquer um que o visse. De fisionomia agressiva, nariz achatado, largas narinas, enormes costeletas, estatura alta, crânio pequeno, cabelos grandes que escondem sua testa e sobrancelhas, e utilizando desde sua primeira aparição uma imponente capa cinza,chapéu de abas baixas e uma bengala. Tal personagem chegou a ser comparado pelo autor com ferozes animais, quando serio seria um cão de fila, mas quando suas mandíbulas grandes o colocarem a sorrir, surgia um selvagem tigre.
Se por um momento admitem conosco que em todo homem há uma das espécies de animas da Criação, será fácil dizer o que era o policial Javert. Oscamponeses asturianos têm a convicção de que, em cada ninhada de loba, há um cão, a quem a mãe mata, senão ao crescer lhe devoraria os outros filhotes.[2]

Quase o inverso disso, Hercule não chega a ser nem um pouco hostil, aparentemente, quanto Javert. O legítimo belga, muitas vezes confundido com um francês, que protagoniza mais de quarenta obras de sua autora, de nome semelhante ao do...
tracking img