O imperador constantino

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1440 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 20 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
O imperador Constantino

Segundo os cristãos, ele era um santo, pois havia ordenado por lei que a religião cristã fosse
livre e respeitada. Segundo Juliano, o apóstata, era um diabo cheio de orgulho e de ódio

O começo da queda do império romano começou com Constantino levando a capital para Bizâncio e os bárbaros invadindo o império.
Depois da abdicação de Diocleciano eMaximiano, Flávio Constâncio Cloro e Galério Maxímino dividiram entre si o império.
Constâncio Cloro recuperou a Bretanha, derrotou 60 mil alemães e edificou a cidade de Spira.
Assim dominava a Inglaterra, e a Bretanha até a Dalmácia e às províncias orientais. Era um homem
sóbrio e honesto. Gostava dos cristãos que tratava como amigos mesmo quando se recusavam sacrificar aos deusesromanos.
Constâncio Cloro morreu em York tendo antes proclamado imperador e seu sucessor o filho Constantino. Nesta mesma época quem dominava em Roma, na Itália e na África era Maxêncio, um homem de uma avareza insaciável e de uma devassidão e crueldade pior que Nero. Embriagava- se freqüentemente e o vinho o tornava louco furioso.
Nestas horas mandava mutilar os próprios amigos. Era evidente quea guerra devia explodir entre Maxêncio e Constantino.
Mas houve apenas começo de guerra, pois Maxêncio morreu afogado no Tibre numa armadilha
que havia preparado para Constantino. Então, vencido Licínio, marido de sua irmã, Constância, Constantino tornouse o único senhor do império.
Quem era Constantino? Segundo os cristãos era um santo, uma vez que em 313, no Edito de Milão,
haviaordenado por lei que a religião cristã fosse livre e respeitada Segundo Juliano, o apóstata,
era um diabo cheio de orgulho e de ódio.
Na realidade temos que reconhecer- lhe a inteligência, a coragem e a prudência que lhe permitiram
ser o senhor de todo o império romano do Ocidente, do Oriente e da África do Norte, por mais
de 30 anos! Mas também foi suficientemente cruel e frio quando se tratava deinteresses pessoais...
Mandou matar seu filho Crispo pela simples acusação da madrasta.Mandou sufocar no banho
sua mulher Fausta. Mandou matar Liciniano, que era inocente dos crimes de Licínio, seu pai. Estes
e muitos outros crimes de aparências políticas, ele os achava necessários para "proteger-se
dentro de casa", como dizia... Mas certo dia, quando estava entrando no templo de Júpiterpara oferecer sacrifícios e purificar- se, o grande sacerdote barrou- lhe o caminho dizendo-lhe que os deuses não o perdoavam...
Foi então que alguém lhe fez observar que o batismo cristão perdoa todos os crimes cometidos
anteriormente. Anteriormente? Sim, anteriormente!
Foi assim que Constantino resolveu adiar o batismo para o último dia de sua vida, já que outros
homicídios políticosestavam previstos... Se isso é história ou lenda, é impossível saber. O que se sabe é que ainda matou gente e no fim da vida pediu o batismo.
Mas um outro fato estava acontecendo: o Oriente próximo estava se tornando a porta de entrada
no império para multidões debárbaros.
Em 254, osMarcomanos invadiram a Pannônia e o norte da Itália. Em 255 os godos entravam na
Dalmácia e naMacedônia; os citas, na ÁsiaMenor; os persas, na Síria; em 257 os godos invadiram
o Bósforo e entraram no Ponto; em 258 conquistaram a Calcedônia, Nicomédia e Nicéia; em 259 os alemanos invadiram a Itália; em 260 o imperador Valeriano foi preso pelos persas. Os bárbaros
haviam se apercebido da fraqueza de Roma. Já Roma, com a recusa do perdão dos deuses, não agradava mais Constantino e assim eleresolveu levar a capital do império para Bizâncio que, em 330, transformou numa esplêndida cidade que chamou de Constantinopla ou Nova Roma, fundando ali uma
universidade e uma sede patriarcal onde o bispo tivesse seu lugar de honra primacial no Império.
(Daí a luta entre o bispo de Roma e o de Bizâncio).
Parece que a promessa de que o batismo o purificaria de todos os seus pecados criou em...
tracking img