E agora

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (474 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de abril de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
E agora?

O tempo passou,os cenários traçados em 2003 se concretizaram, e agora 2008 chegou e trouxe consigo a crise de liquidez e de crédito, que se instalou nos mercados globais e parece ter amaioria dessas tendências, fazendo com que ações de produtores de commodities, bem como as próprias commodities em si,tenham sofrido fortes correções,e o outrora combalidos dólar americano tenha sefortalecido frente a todos os outros ativos.
Esses acontecimentos despertaram uma série de perguntas nos investidores.
O que mudou?A megatendência de baixa do dólar e de alta nas commditeisterminou?
Se sim, qual a nova megatendência? O que fazer e como sobreviver nesse novo cenário?
Podemos responder estas perguntas dentro da reserva frcionária .Dentro destes modelos os bancos são obrigadospor lei a manterem apenas uma fração de seus depósitos em reservas,e tem liberdade para emprestar o resto dos recursos.Embora tendo essa autorização, eles continuam obrigados a honrar todos osdepósitos sob demanda. Atualmente,esta é uma prática universal no modelo bancário moderno.

Isso significa que para cada dólar emprestado pelo Federal Reserve para um banco, apenas dez centavos de dólarprecisam ser mantidos como reserva, podendo, os outros 90 centavos, se tornarem crédito cedido a outras instituições.
Uma segunda instituição que tome esses 90 centavos emprestado por sua vez, manterapenas nove centavos em reserva, e emprestar novamente a terceiros os 81 centavos remanescentes, e assim por diante.
Esse mecanismo permite que esse montante de dinheiro em circulação sejaimensamente amplificado ao final da cadeia de crédio, pois para cada dólar emitido e emprestado pelo Federal Reserve, cerca de outros sete dólares são criados como em um passe de mágica.
Isso aumentabastante o poder do banco central em gerar liquidez,que tem sido a ferramenta principal através da qual os ciclos econômicos são distorcidos e o perverso imposto inflacionário tem sido cobrado das massas...
tracking img