A liberdade 25 de abril

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 3 (525 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A Liberdade, quando nasce, é para todos.
Quarta-feira, 25 de Abril de 2012

Hoje, Portugal comemorou, uma vez mais, a Revolução que libertou o País de um regime autoritário e opressivo que,durante 48 anos, o subjugou. A descarada e totalmente despudorada complacência com o cartelismo económico, a promoção de um crescimento estéril assente no investimento estatal e nas grandes obras públicas,a tímida aposta na qualificação profissional e, obviamente, os atentados à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa deixaram na Nação marcas profundas que, quase 40 anos volvidos, ainda sãovisíveis. Quase 40 anos volvidos, continuam também a ouvir-se as aguerridas reivindicações dos que, apesar de empenhados na abolição do direito à propriedade, se afirmam, com despudorada insistência,donos desta Revolução. Não, o 25 de Abril não se fez para deleite dos 290.000 votantes do Bloco nem para regozijo dos 440.000 eleitores da CDU. Fez-se para que todos os Portugueses pudessem serverdadeiramente livres. Livres de se expressarem sem terem como destino um Gulag, livres de investir e criar empregos sem temer a expropriação, livres de se destacarem pelo esforço e pelo trabalho, sem temero esbulho fiscal a pretexto de um pretenso igualitarismo que tira a todos para dar ao Estado, livres de escolher os seus governantes sem que minorias ressabiadas procurem ganhar nas ruas o voto deconfiança que o povo lhes recusou nas urnas.
O 25 de Abril não se fez para ser refém de uma associação de militares ou de um conjunto de políticos. Fez-se para que, quando 2,3 milhões de Portuguesesvotam num Governo, a legitimidade desse Governo seja aceite e reconhecida por todos, mesmo pelos que têm diferenças programáticas com a coligação que sustenta o Executivo.

Já sabíamos que aextrema-esquerda sempre teve uma relação difícil com a democracia. O próprio Álvaro Cunhal corroborou esse facto ao afirmar, numa célebre entrevista ao L'Europpeo "As eleições não me interessam nada!" Para...
tracking img