A festa de nossa senhora santana-a luta pelo território étnico de alcântara maranhão

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 21 (5199 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
A Festa de Nossa Senhora Santana: luta pela permanência no território étnico de Alcântara1 Maria Suely Dias Cardoso UFMA\GERUR-MA No presente texto busco refletir sobre os significados da festa de Nossa Senhora Santana, para os moradores do povoado Santana de Caboclos, em Alcântara, Maranhão. A manifestação religiosa ocorre anualmente nessa comunidade assumida como remanescente de quilombo -,nesse município. Trata-se de um ritual de agradecimento pelo uso da terra, considerada por seus moradores como sendo de propriedade da santa. É o evento religioso considerado pelos moradores, dentre os demais, como o mais importante, para o qual se preparam durante o ano todo. Busco saber em que medida podemos afirmar que se trata de um ritual de resistência na luta pela permanência no território,constituindo-se num instrumento que reforça a identidade étnica do grupo. Palavras-chave: festa, identidade, território étnico

As considerações aqui apresentadas resultam de duas pesquisas de campo realizadas em distintos momentos na comunidade remanescente de quilombo conhecida como Santana de Caboclos. A primeira refere-se ao projeto “Produção de Alimentos e Cultura Alimentar: uma avaliação dasformas de obtenção e consumo de alimentos em comunidades agro-extrativistas de Alcântara”2 e a segunda, aquela realizada para fins de obtenção do título de mestre em Ciências Sociais.3 Embora a temática da festa não tenha sido o objeto dos referidos projetos, se impôs significativamente no resultado dos estudos. Nesse sentido, pretendo refletir sobre qual o sentido da festa para os camponeses queintegram o grupo morador da comunidade. Busco saber em que medida podemos afirmar que

1

“Trabalho apresentado na 27ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 01 e 04 de agosto de 2010, Belém, Pará, Brasil.” 2 Pesquisa realizada pelo GERUR – Grupo de Estudos Rurais e Urbanos, coordenada pelos professores Drª Maristela de Paula Andrade, Dr. Benedito Souza Filho e Dr. HorácioAntunes. A pesquisa desenrolou-se no período de março de 2004 a março de 2005 e coube a mim coordenar o trabalho de campo no povoado Santana de Caboclos. 3 PPGCS - Mestrado em Ciências Sociais, dissertação intitulada “SÓ VIVO DA PESCA: Estratégias de reprodução de famílias camponesas no meio urbano – entre Alcântara e São Luís, Maranhão”.

1

se trata de um ritual de resistência na luta pela terra ese é um instrumento que reforça a identidade do grupo. A festa em Santana de Caboclos acontece anualmente entre os dias 24 a 26 de julho, sendo dedicada a Nossa Senhora Santana. A homenagem à Santa, tida pelos moradores como a “dona da terra”4, constitui-se numa forma de agradecimento pelo uso desse recurso básico. É o evento considerado pelos moradores, dentre os demais, como o mais importante,para o qual se preparam durante o ano todo. A localidade é conhecida por seus habitantes como terra de santíssima ou terra de santíssimo, situação sociológica evidenciada por trabalhos como os de Linhares(2001) e Almeida(2006), e a festa representa para os moradores, o momento não só de agradecer, mas também serve para reforçar esse laço com a divindade que, segundo suas representações, lhesgarante o acesso e a permanência na terra. Deste modo, os moradores mantêm uma relação singular no que tange à posse e uso da terra. Para eles, a santa seria sua verdadeira proprietária e lhes permitiria, desde o tempo de seus antepassados escravos, usufruir de todos os seus recursos, sem nada lhes cobrar. Quanto às designações terras de santo, terras de santa, terra de santíssima ou terra de santísimo,são tratadas por Almeida como territorialidades específicas, nas quais “foram construídas complexas redes de relações sociais” e “mais que meros termos ou expressões, consistem em categorias classificatórias que apontam para as características intrínsecas e plurais da identidade étnica dos agentes sociais em questão”.(2006, p. 52). A origem das denominações assinaladas, está relacionada à...
tracking img