A familia e a base da sociedade

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2490 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de outubro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]

SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO 3

2 DESENVOLVIMENTO 4

3 CONCLUSÃO.........................................................................................................10

REFERÊNCIAS..........................................................................................................11

INTRODUÇÃO

A família representa um grupo social primário que influencia e éinfluenciado por outras pessoas e instituições. É um grupo de pessoas, ou um número de grupos domésticos ligados por descendência (demonstrada ou estipulada) a partir de um ancestral comum, matrimónio ou adoção. Dentro de uma família existe sempre algum grau de parentesco. Membros de uma família costumam compartilhar do mesmo sobrenome, herdado dos ascendentes diretos. A família é unida pormúltiplos laços capazes de manter os membros moralmente, materialmente e reciprocamente durante uma vida e durante as gerações.
Podemos então, definir família como um conjunto invisível de exigências funcionais que organiza a interação dos membros da mesma, considerando-a, igualmente, como um sistema, que opera através de padrões transacionais. Assim, no interior da família, os indivíduospodem constituir subsistemas, podendo estes ser formados pela geração, sexo, interesse ou função, havendo diferentes níveis de poder, e onde os comportamentos de um membro afetam e influenciam os outros membros. A família como unidade social, enfrenta uma série de tarefas de desenvolvimento, diferindo em nível dos parâmetros culturais, mas possuindo as mesmas raízes universais.
Parainiciarmos essa reflexão, torna-se necessário o desprendimento de qualquer espécie de preconceito cultural, religioso ou moral, bem como a imparcialidade do operador do direito no que diz respeito ao tema analisado, até porque, a homossexualidade é um fato concreto e existente nas diversas classes sociais. Portanto, negar a existência desses novos arranjos familiares e como consequência à adoçãopor esses casais, pelo fato de serem considerados diferentes dos padrões tradicionais estabelecidos pela sociedade é um ato de discriminação.
O direito à convivência é um dos direitos constitucionais estruturadores da Teoria do Melhor Interesse, que tem como escopo assegurar uma vida plena e digna, sem qualquer espécie de obstáculos, para o alcance da tão sonhada justiça, no seu amploconceito.
Desse modo, o principio da dignidade humana, é sustentáculo dos novos arranjos familiares, Os quais se originam do afeto entre seus membros, portanto, a violação de qualquer um de seus princípios fundamentais estará sempre vinculada a uma ofensa à dignidade.

DESENVOLVIMENTO

A família assume uma estrutura característica. Por estrutura entende-se, “umaforma de organização ou disposição de um número de componentes que se inter-relacionam de maneira específica e recorrente”. Deste modo, a estrutura familiar compõe-se de um conjunto de indivíduos com condições e em posições, socialmente reconhecidas, e com uma interagração regular e recorrente, socialmente aprovada. A família pode então, assumir uma estrutura nuclear ou conjugal, que consiste numhomem, numa mulher e nos seus filhos, biológicos ou adotados, habitando num ambiente familiar comum. A estrutura nuclear tem uma grande capacidade de adaptação, reformulando a sua constituição, quando necessário.
Na sociedade contemporânea percebe-se uma grande evolução nos costumes e nos conceitos morais. Dentro desse progresso está o direito à opção sexual, fundamentada no direito àpersonalidade sexual. Em consequência do desenvolvimento cultural os paradigmas tradicionais se romperam, abrindo assim, portas para o diferente. Direito, que, enquanto ciência, tem como escopo regular os comportamentos sociais, a necessidade de investigar e proteger essa nova entidade familiar, bem como os reflexos advindos desses novos arranjos familiares. Em razão desse processo surgem os...
tracking img