A economia brasileira de 1985-1992

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 10 (2429 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 13 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
A economia Brasileira de 1985-1992(de Sarney a Collor de Melo)
A condução da política econômica da Nova República elegeu o combate inflacionário como meta principal. De 1985 até o momento, isso foi tentado de diferentes formas, com uma série de planos econômicos que visavam a quedas abruptas da inflação intercalados por períodos de controle ortodoxos. Entre os planos destacam-se: Cruzado(1986), Bresser (1987), Verão (1989), Collor I(1990), Collor II(1991) e Real (1994). Percebe-se que de 1986 a 1991, praticamente em todos os anos, houve programas de combate à inflação. Esses planos tinham por base o diagnóstico da inflação inercial, trazendo como principal elemento o congelamento de preços. O quadro político se caracterizou como uma importante condicionante de todas as decisõeseconômicas tomadas neste período.
Governo Sarney: março de 1985 a março de 1990
O governo de José Sarney iniciou-se numa fase de intensa ebulição social, envolvendo desde os excluídos e marginalizados até os mais bem sucedidos econômica e socialmente. A variedade dos anseios, com seus diversos “projetos” nacionais, teve de seguir ritmos políticos ligados às peculiaridades brasileiras e ao quadrointernacional de um capitalismo em rápida globalização.
A redemocratização havia feito surgir, em meio à população, a idéia de que os males do país se deviam exclusivamente à má administração da economia por parte dos últimos governos militares, sentimento reforçado pelos intelectuais e pela imprensa. Essa idéia, que, por mais que tivesse algo de verdadeiro, levava à crença simplista de que umgoverno civil e democrático iria colocar o país nos eixos apenas por ser civil e democrático.
Nesse quadro, ganhava força ao final do regime militar o diagnóstico de que a inflação brasileira não estava relacionada com a atividade econômica. A recessão no período 1981/83 havia contribuído pra melhorar o balanço de pagamentos, reverter o déficit existente na balança comercial e transformá-lo emexpressivos superávits, mas não havia tido efeito sobre a inflação.
Vivia-se o auge da “crise da dívida externa”, e as medidas tomadas pelo último governo militar tinham elevado a inflação para 223% em 1984, com tendência a escapar de qualquer controle.
A dimensão dos problemas a serem enfrentados exigia muito mais que apenas um novo regime político, pois estes decorriam, sobretudo, da longatrajetória histórica nacional, fundada nas práticas paternalistas e tuteladoras do poder instituído.
A Nova República inicia-se, portanto, com o seguinte quadro: economia em crescimento, balanço de pagamentos e transações correntes equilibrados (o saldo comercial era insuficiente para pagar a remessa de juros sem necessidade de novos aportes de capital) e inflação elevada em torno de 200% a.a. Com isso,era natural que se elegesse o combate à inflação como o principal objetivo do governo.
Plano Cruzado
A aceleração inflacionária no final do ano anterior e início de 1986 levou ao lançamento do Plano Cruzado em 28-2-1986. O plano cruzado introduziu uma nova moeda, substituindo cruzeiro pelo cruzado, e definiu regras de conversão de preços e salários de modo que se evitasse efeitosredistributivos, ou seja, buscou promover um”choque neutro” que mantivesse sob o Cruzado o mesmo padrão de distribuição de renda do cruzeiro.
O plano consistia na tentativa de combater a inflação sem comprometer o crescimento econômico, rompendo assim com as práticas ortodoxas tradicionalmente adotadas no Brasil desde o início do século, que defendiam o combate à inflação aliado à recessão.
Já o planoCruzado partia do pressuposto de que implantar a recessão para combater a inflação era um equívoco, dadas as desigualdades sociais e o estado de miséria em que vivia grande parte da população brasileira. Acrescentem-se ainda as próprias peculiaridades da economia brasileira, na qual, devido ao longo período inflacionário, o aumento dos preços havia ganho um impulso “inercial”, isto é, os agentes...
tracking img