Tratamento de diareias a partir de plantas medicinais

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 11 (2655 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 3 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Conteúdo pág.

1. Introdução 3
1.2. Problematização 4
1.3. Justificativa da escolha do tema 5
1.4. Objectivos 6
1.4.1. Objectivo geral 6
1.4.2. Objectivos específicos 6
1.5. Questões científicas: 6
1.6. Hipóteses 7
1.8. Enquadramento do tema 81.9.1. Descrição da área de estudo 9
1.9.2. Métodos 10
1.9.2.1. Inquérito 10
2. Cronograma das actividades 12
3. Orçamento 13
4. Bibliografia 14

1. Introdução
A população moçambicana no geral, e em particular a residente na zona rural usa plantas no tratamento de doenças ou mesmo para a sua prevenção. Esta prática acompanha as comunidades ao longo do tempo e, é fruto de um conhecimentorepassado entre as gerações.
Segundo CUNHA (2005), a OMS (Organização Mundial da Saúde) estima que aproximadamente 80% da população dos países em desenvolvimento nos quais Moçambique faz parte, utiliza plantas como fonte primária para tratamento de diferentes problemas da saúde.
Devido aos constrangimentos económicos e a fraca rede sanitária, grande parte da população moçambicana e de outrospaíses em desenvolvimento tem a medicina tradicional como fonte primária para os seus cuidados médicos. No distrito de Massinga, a localidade de Malamba é uma referência no uso de práticas locais e nos recursos florísticos como meio alternativo a medicina convencional para o tratamento da diarreia aguda, principal problema de saúde da população nesta região.
No entanto, o aproveitamento deste tipode práticas e conhecimento não é um dado novo, pois de acordo com Cragg et al (1997) estima-se que 75% dos medicamentos anti-infecciosos aprovados pela OMS, derivam de plantas.
Porém, pouco se sabe a respeito de estudos relacionados com o uso de plantas para tratamento da diarreia aguda, ao nível de Malamba. A informação sobre a planta ou a parte da planta que cura a doença, quando é que apotencialidade de cura é máxima, modo de preparação e quantidade da dose a administrar ao doente é transmitida oralmente de geração a geração. Assim, pretende-se com o desenvolvimento deste trabalho contribuir para o conhecimento do uso correcto destas, com informações sobre os seus constituintes químicos de suas espécies e para a confirmação científica dos seus alegados usos populares.
A presentepesquisa estará estruturada em três capítulos, sendo que no capítulo um, será apresentada a introdução, justificativa, problematização, hipóteses, objectivos e os procedimentos metodológicos. O segundo capítulo irá conter o referencial teórico. No capítulo três serão apresentados os resultados da pesquisa, análise dos dados colectados, finalmente as considerações finais do trabalho e as referênciasbibliográficas.
1.2. Problematização
O uso de plantas tem sido uma alternativa para muitas comunidades que não tem acesso à medicina convencional. Trata-se de um produto cultural e não de um estudo previamente sistematizado.
O uso pouco cuidadoso das plantas medicinais tem causado efeitos indesejados como intoxicações e mesmo a ausência da resposta medicamentosa esperada. Este mau uso se deve aoconhecimento insuficiente do assunto. O risco de intoxicação pelo uso de plantas é grande. Estas intoxicações normalmente ocorrem por causa de erros na identificação das espécies (uso de nomes populares), do uso de quantidades excessivas de determinadas plantas, do preparo e uso inadequados e, principalmente, por causa do uso de plantas com efeitos tóxicos.

Ora, segundo PTMAN (1996), os efeitosdas plantas dependem da quantidade utilizada. Por isso, antes de utilizar uma planta medicinal, é preciso procurar informações a respeito de suas indicações terapêuticas, dosagem, modo de usar e possíveis efeitos tóxicos.
Malamba é uma região com elevados índices de casos de diarreia e que muitas vezes para o seu tratamento recorrem a plantas, devido a longas distâncias que separam as...
tracking img