Traqueostomia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2045 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 27 de fevereiro de 2014
Ler documento completo
Amostra do texto
Cuidados das Traqueotomias: Sessão de Esclarecimento de Duvidas na REA
Ontem, durante o turno da tarde, tive a oportunidade de assistir a uma pequena sessão sobre como se executam os cuidados de enfermagem à pessoa com traqueotomia na Unidade de Reanimação. Esta sessão foi conduzida por uma das enfermeiras do serviço, com recurso a um documento orientador  em Power Point, realizado pelareferida enfermeira e por outras da mesma unidade.

Esta sessão, ainda que pequena, foi de grande interesse para mim, uma vez que já fiz uma reflexão sobre este tema. Desta forma, pude fazer uma avaliação daquilo que pesquisei e escrevi e conclui que a minha reflexão não estava, de todo, coerente com os protocolos da reanimação, relativamente a este tema.

Assim, a presente reflexão serve parareformular alguns conceitos e cuidados de enfermagem, tendo por base aquilo que é feito na Reanimação. Assim sendo, o fundamento teórico desta reflexão será o documento de apresentação da sessão, que após prévia autorização a uma das autoras do mesmo, me foi solicitado.

Durante esta sessão foram abordados vários tópicos importantes, tais como:
Diferença entre Traqueotomia e Traqueostomia;Componentes da cânula de traqueotomia;
Diferentes tipos de cânula de traqueotomia;
Cuidados com a traqueotomia;
Quando e como aspirar?
Mudança da cânula;
Limpeza da cânula interna;
Alimentação;
Falar com a cânula;
Complicações associadas à presença de uma cânula;
Remoção da cânula.
Começando pelo primeiro tópico, é importante diferenciar o conceito de traqueotomia do conceito de traqueostomia,uma vez que muitas das vezes se utiliza o termo traqueostomia de forma errada para se referir a uma traqueotomia.

Traqueostomia é o conceito que se refere ao procedimento cirúrgico através do qual se exterioriza a traqueia cervical, fixando o traqueostoma à abertura da pele. Nesta técnica, o paciente fica sem via aérea superior e somente respira através do traqueostoma e como são removidas ascordas vocais, não pode falar. Esta técnica, que também se pode chamar de Laringectomia Total, é utilizada em situações de tumor sublinguais, por exemplo.



Traqueotomia é o procedimento através do qual se estabelece uma abertura da traqueia, normalmente para reparar algum dano a nível da função respiratória.

A traqueotomia é composta por três componentes distintos, como os que se apresentamna figura seguinte:

Existem vários tipos de traqueotomias:
Cânula de traqueotomia com cuff, ou seja, com balão de insuflação, que quando insuflado reduz o risco de aspiração em pacientes que requerem ventilação mecânica;
Cânula de traqueotomia sem cuff;
Cânula fenestrada, que permitem que o doente possa falar, uma vez que possui uma abertura na parte superior da cânula que, quando o ar passapelas cordas vocais, permitem a comunicação verbal oral;
Cânula de prata, que é a cânula que se usa na última fase da traqueotomia, antes da sua remoção definitiva.
Apesar de existirem diferentes tipos de cânulas, os cuidados de enfermagem a ter são iguais, ou seja, não devemos manipular a cânula nem a ferida provocada pela sua inserção nas primeiras 24 horas e em caso de situação deemergência, como por exemplo extracção acidental da cânula, devemos ter sempre uma cânula de igual número à que o paciente tem na sua mesa de cabeceira.

O local de inserção da cânula deve ser curado diariamente e sempre que necessário, limpando apenas com soro fisiológico do estoma para fora, para evitar a contaminação. Se o estoma se apresentar ruborizado, devemos limpar, da mesma forma mas desta vez comclorexidina aquosa a 0,02 %.

É importante não nos esquecermos de mudar o babador da cânula em cada cura, colocando-o sempre com a face plastificada virada para o exterior, para que não se absorvam as secreções expelidas pela cânula. Além disso, e não menos importante, a fita de fixação da cânula deve estar sempre bem ajustada, para que esta não se mova mas não em demasia, para evitar...