Trabalho

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 27 (6584 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 4 de abril de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
A tematização das lutas na Educação Física

Escolar: restrições e possibilidades

Paulo Rogério Barbosa do Nascimento*
Luciano de Almeida**

Resumo: O tema “lutas”, indicado para ser tratado pedago­
gicamente pela disciplina curricular de Educação Física na
escola, apresenta algumas restrições. O desafio deste
trabalho foi realizar uma necessária reflexão sobre o tema e
efetivasintervenções no contexto escolar, para contrapô-las.
Entendemos que, com essas experiências “singulares”, foi
possível relativizar “empecilhos” postos para o trato peda­
gógico desse conteúdo na escola. Reforçarmos a convicção
da importância de o professor ter claro para si sob qual
perspectiva teórica tratará os conteúdos para, então, lançar
mão de metodologias de trabalho sintonizadas com ateoria.
Palavras-chave: Luta. Educação Física. Currículo.

1 INTRODUÇÃO
Este texto objetiva participar do debate e, principalmente, instigar
a construção de um corpo de conhecimentos significativos, rela­
cionados ao trato do conteúdo de lutas, pela disciplina curricular de
Educação Física na escola, assim como procura atestar a validade do
diálogo entre profissionais, a troca de experiênciase, ainda, a
construção coletiva de novos subsídios teórico-práticos, que signifiquem
e re-signifiquem tratos com os conteúdos da Educação Física escolar.
No momento, podemos afirmar que alguns dos argumentos
em relação ao tema na Educação Física escolar, que perpassam o
posicionamento e as concepções dos professores atuantes em
*
Mestre em Educação nas Ciências (UNIJUÍ). Professor do Cursode Educação Física da
URI (Campus Santo Ângelo) e Professor da Escola Municipal Madalena, Panambi, RS, Brasil.
E-mail: paulonascimento@urisan.tche.br
**
Mestre em Educação nas Ciências (UNIJUÍ). Professor do Curso de Educação Física da
URI (Campus Santo Ângelo) e Professor da Escola Estadual de Ensino Médio Santo Augusto,
Santo Augusto, RS, Brasil. E-mail: lucianoedf@urisan.tche.br

92Artigos Originais

P aulo do Nascimento e Luciano de Almeida

escolas, são restritivos para a efetivação do trato pedagógico desse
conteúdo. Diante disso, buscamos refletir sobre a temática e
realizar intervenções pedagógicas no âmbito escolar, capazes de
suscitar elementos para nos posicionarmos mais categoricamente,
inclusive considerando a possibilidade de contrapor algumas
supostasrestrições.
As reflexões e intervenções que seguem originaram-se a
partir do diálogo e interesse comum dos autores do texto. De um
lado, um professor de Educação Física sem vivências específicas
em alguma modalidade de luta e, de outro, um com vivência
profissional no ensino da capoeira.

2 ARGUMENTOS RESTRITIVOS EM RELAÇÃO AO
TRATO DA LUTA NA DISCIPLINA DE EDUCAÇÃO
FÍSICA
A ampliação dostemas ou conteúdos a serem devidamente
estudados na disciplina de Educação Física na escola, fruto, também,
de mudanças paradigmáticas1 no próprio campo é fato, porém, a
efetivação de tal ampliação não é um processo que ocorre rapidamente.
No espaço de intervenção escolar, podemos afirmar que o tema/
conteúdo de lutas é pouco acessado e, inclusive, o seu trato
pedagógico suscitaquestionamentos e preocupações diversas por
parte dos profissionais atuantes na Educação Física.
Se o fenômeno lutas aparece na escola, conforme Nascimento
(2005), isso acontece pelas aberturas preconizadas por essa insti­
tuição para terceiros realizarem, em seu espaço, oficinas, voluntárias
ou não, desvinculadas da disciplina de Educação Física e do projeto
político-pedagógico da Escola.
Em pesquisarealizada pelos alunos do curso de graduação em
Educação Física da UNIJUÍ, Campi Ijuí e Santa Rosa (RS), e da
1
Considera-se, para este estudo, a mudança paradigmática que se refere à introdução do
conceito de “cultura” nos estudos acadêmicos da área de Educação Física, o que tem
ampliado a visão da área para além do corpo eminentemente biológico, mas também histórico,
social e cultural....
tracking img