Tecnicas rodoviarias

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 33 (8191 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 2 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Aspectos Técnicos na Conservação e Reabilitação de PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS

Processos Construtivos nas Técnicas de Conservação e Reabilitação

1

“MISTURAS BETUMINOSAS DE ELEVADA RIGIDEZ PARA CAMADAS DE BASE DE PAVIMENTOS” RESUMO A metodologia de estudo constou basicamente das seguintes fases: Ao nível laboratorial foi feita a selecção e caracterização do ligante betuminoso e dos agregadosutilizados no estudo. É feita igualmente uma referência aos principais aspectos que caracterizam estas misturas betuminosas, bem como uma síntese da sua evolução. No campo da formulação laboratorial são descritos os critérios utilizados, bem como os métodos de caracterização e equipamento utilizado, nomeadamente a caracterização mecânica das misturas betuminosas ensaiadas. Em síntese, o propósitofundamental desta comunicação, è a caracterização deste tipo de misturas betuminosas, de forma a poder contribuir para a elaboração de soluções técnicas e económicas adequadas, alternativas às soluções correntes.

INTRODUÇÃO Poder-se-á definir genericamente uma mistura betuminosa de alto módulo para camadas de base, como sendo a que se caracteriza por apresentar normalmente uma rigidezconsideravelmente superior às misturas betuminosas convencionais para o mesmo fim (NF P 98 -140, 1992). Estas misturas betuminosas especiais são normalmente dotadas de uma maior capacidade estrutural, comparativamente às misturas betuminosas tradicionais para pavimentação. Dada a natureza intrínseca deste material, as novas camadas formadas com estas misturas, não teriam associados os problemas defissuração por retracção, das bases de elevada rigidez habitualmente utilizadas, compostas por materiais tratados com ligantes hidráulicos, que para além desse facto, necessitam dada a sua natureza de ser colocadas sobre camadas de sub-bases também rígidas.

ARTIGO 1 – Evolução da técnica

2

No início da década de 80, surge em França (País onde se assistiu a uma maior evolução desta temática) umnovo impulso no campo das misturas betuminosas de elevada rigidez, com o objectivo de utilização em camadas de base de pavimentos, e em que os ligantes betuminosos a utilizar, embora distintos dos convencionais, seriam à base de betumes puros, obtidos directamente por destilação do petróleo bruto, e com penetrações nominais do tipo 10/20 a 25ºC, cuja utilização na altura não tinha qualquer expressão.Os critérios de formulação então adoptados para as novas misturas betuminosas conduziram a misturas bastante compactas, em consequência por um lado dos fusos granulométricos adoptados, com elevadas percentagens de filer ( 8%), e por outro dos teores em betume serem mais elevados que os habituais, com valores inicialmente compreendidos entre 5,6 e 6,6 % e módulos de riqueza entre 3,4 e 4,5.
1.1– Normalização

Após esta fase inicial, e em consequência do crescimento do mercado, surgiu naturalmente a necessidade da normalização destes materiais, pelo que a sua utilização foi normalizada através da norma Francesa NF P 98 – 140 de Outubro de 1992 sob a designação de “Enrobés à Module Élevé” (EME), destinados a camadas de base de pavimentos. No âmbito da norma NF P 98 – 140 de Outubro de1992, são contemplados dois tipos de misturas. As do tipo EME classe 2, desenvolvidas em primeiro lugar e que se caracterizam por possuir um conteúdo de ligante geralmente compreendido entre 5,5 e 6,0% (em teor), e as do tipo EME classe 1, cujos conteúdos de ligante são normalmente inferiores a 5% (4,2 a 4,8%). 1.2 – Principais características Os betumes de elevada consistência (penetrações a 25º Cinferiores a 30 x 0,1mm), em conjunto com o forte esqueleto mineral do agregado e uma alta percentagem de material passado no peneiro n.º 200, cerca de 8%, conferem à mistura uma elevada capacidade de absorção de cargas (tensões). O seu comportamento às deformações permanentes é consideravelmente melhorado comparativamente a uma mistura convencional (R.G.R.A n.º 711; Duval,J.-Eurobitume...
tracking img