Superavit primario

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1108 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de março de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
TAREFA SEMANA 6 – DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA

Para responder às questões abaixo, retome a leitura da Unidade V, que vai da página 101 à página 124, e pesquise também o material complementar proposto para esta semana.


1. Caracterize e enfatize a diferença entre os conceitos de déficit público nominal e déficit público primário. Como o superávit primário ajuda na sustentabilidade dadívida pública?

O déficit primário corresponde à diferença entre arrecadação e gastos do governo, sem levar em conta as despesas com os juros da dívida interna pública.Para financiar este déficit o governo pode:

- Emitir moeda (e contribuir para inflação); ou


- Endividar-se, emitindo um título de dívida pública.


O déficit nominal é aquele que corresponde àsoma do déficit primário
com os gastos com juros nominais (juros reais mais correção monetária) e com a amortização da dívida pública.


Uma ampliação do superávit primário, além de ajudar a política monetária no esforço de contenção da demanda, reforçaria a confiança na “sustentabilidade” da dívida, isto é, na capacidade de pagamento do setor público. O caminho preferido peloseconomistas do “mercado” é o do corte de gastos correntes não-financeiros.



2. Qual a relação entre a dívida suportável pelo país e a taxa de juros? Essa taxa de juros pode ser definida livremente? Quais os elementos que afetam a evolução da dívida em relação ao PIB?

O déficit pressiona a taxa de juros para cima provocando, assim, o chamado ”crowding-out”, na economia, isto é, aredução dos investimentos privados sensíveis as variações na taxa de juros. Segundo Barros(1974),os déficit resultados da redução dos impostos(mais precisamente dos cortes de impostos) não tem maiores conseqüências econômicas, pois o individuo percebendo o inevitável aumento da carga tributaria no futuro pouparão mais no presente para garantir a subsistência financeira no futuro.

Esta taxade juros é definidas pelos integrantes do Copom, onde participam os Ministros da Fazenda, Planejamento, Banco Central, entre outros, as reuniões acontecem a cada 40 dias. Para determinar a taxa de juros, o Copom leva em conta a inflação, a atividade econômica, o cenário macro e microeconômico, a balança comercial. A taxa de juros é uma ferramenta para frear ou impulsionar a economia e ela deve serbem definida para que não cause efeitos negativos na economia.

De acordo com a série histórica da autoridade monetária, que começa em dezembro de 2001, este não é o menor patamar já registrado, visto que, em setembro do ano passado, somou 36,3% do PIB.
Entretanto, trata-se da primeira vez, no fechamento de um ano, que a dívida líquida fica abaixo de 37% do PIB. "Terminamos 2011com o patamar mais baixo para a dívida líquida no fechamento de um ano", afirmou Tulio Maciel, chefe do Departamento Econômico do Banco Central.
Segundo o BC, o superávit primário de R$ 128,7 bilhões registrado no ano passado foi um dos principais fatores a contribuir para a queda da dívida líquida do setor público em 2011. Somente este fator resultou no recuo da dívida em 3,1 pontospercentuais. O crescimento do PIB, por sua vez, contribuiu com 3,5 pontos para a queda da dívida.
Além disso, o aumento do dólar médio de 12,6% em 2011, na comparação com o ano anterior, também contribuiu para a redução da dívida, na proporção de 1,6 ponto percentual informou o BC. A explicação é que, atualmente, o Brasil possui mais ativos do que passivos em dólar. Deste modo, quando a cotação damoeda norte-americana sobe, a dívida líquida do setor público recua.
Essas reduções, entretanto, foram compensadas, parcialmente, pelos juros nominais apropriados em todo ano passado, equivalentes a 5,7 pontos percentuais em 2011 - ou R$ 236 bilhões.


Fonte:
http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/divida-publica-do-brasil-representa-365-do-pib



3. Com base nas...
tracking img