Sociologia

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3326 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 5 de dezembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
FENORD/IESI
CURSO DE DIREITO
Trabalho De Complementação De Carga Horária
DISCIPLINA: Ciência Política
PROFESSOR: Márcio

As Teorias Das Formas de Governo

Larissa Braga de Souza – 2° Período

Teófilo Otoni, Novembro de 2011.
Capítulo I – Uma Discussão Célebre

Data-se de muito tempo(Séc. VI a.C) a discussão sobre a melhor forma de governo entre os pensadores gregos, mesmo sendo uma lenda, o pensamento que ficou da história mostra o grande conhecimento que antigamente possuíam os pensadores sobre a política. Otanes, Megabises e Dario defenderam as três formas de governo que perduram até os dias atuais: a Democracia (o governo de muitos), a Aristocracia (o governo de poucos) e aMonarquia (o governo de um só). Cada qual defendeu uma forma de governo.
Otanes propôs a Democracia (entregar o poder ao povo), pois tinham tido uma experiência opressora com a Monarquia no governo de Cambises, alegava que esta forma de governo afastava do caminho correto até o melhor dos homens.
Megabises, no entanto, acreditava em um poder oligárquico (Aristocracia). Concordava comOtanes em relação a Monarquia, mas acreditava que o povo era inerte e despreparado. Entendia que o poder não poderia ser passado para o povo, mas deveria ser passado sim para um grupo de “homens preparados”, escolhidos intelectualmente, que formariam um grupo de cabeças pensantes para administrarem o poder.
Em contrapartida, Dario entendeu que os três governos seriam bons, mas a Monarquiaseria melhor. Porque não o melhor homem, o mais inteligente e com maior discernimento, saberia o que é melhor para seus súditos e o que fazer contra os adversários.

Capítulo II – Platão

Segundo Platão, a República deveria ser a realização da justiça no meio social, destinando a cada indivíduo suas obrigações de acordo com as características de cada um. Mas o mesmo Platão afirma que esseEstado perfeito não existe, é apenas imaginário. Para ele, todos os Estados existentes, em menor ou maior grau, são todos corruptos, imperfeitos.
Dentre as constituições corrompidas examinadas por Platão, cita-se a timocracia, oligarquia, democracia e tirania. A monarquia e a aristocracia, constituições comuns ao longo da história, o pensador considerou ser uma só, para ele não faz diferença se é sóuma pessoa que governa ou muitas pessoas, pois o que realmente importava para ele eram as Leis Fundamentais do Estado, e não quantos que a fazem cumprir.
Na Prática, Platão aceitou que havia seis formas de governo, dentre as quais duas são idéias e quatro corruptas. A timocracia, onde as pessoas são amantes das honrarias, dos agrados, onde se governa mais pela atividade bélica do que pelasvirtudes das palavras. A oligarquia, onde se busca o acúmulo de dinheiro e honrarias, e não se respeita as virtudes. A democracia, onde todos governam, e todos querem agir segundo seus próprios desejos, o que naturalmente seria uma bagunça no estado. E a monarquia, onde geralmente um homem se torna tirano e não se evita as guerras, o abuso de autoridade e o derramamento de sangue.

Capítulo III –Aristóteles

De acordo com Aristóteles Constituição e Governo significam a mesma coisa, e o governo é soberano em um Estado, independente se exercido por “um só”, “por poucos” ou “por muitos”. Quando estes que estão no poder, o exercem buscando o interesse comum, temos então uma constituição reta, e quando estes exercem interesse particular, ocorrem os desvios.
O governo monárquico que busca obem comum dos seus governados, ou quando poucos governam buscando o bem público ocorre então a política. Mas quando estes governos sofrem degenerações ocorrem a tirania em relação ao reino, a oligarquia em relação a aristocracia e a democracia em relação a política.
Para Aristóteles, a política era uma mistura de oligarquia e de democracia, o qual a oligarquia não era o governo de poucos e...
tracking img