Robert venturi

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 9 (2058 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de janeiro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
ROBERT VENTURI
Vida e Obra








































































































                                 UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ
ARQUITETURA E URBANISMO
CAMPUS: AKXE   TURNO: MANHÃ
SEMINÁRIOS DE ARQUITETURA II
DATA DE ENTREGA:08/06/2011


Robert Charles Venturi, Jr., nasceu na Filadélfia em 25 de junho de 1925. Era o pós-guerra, o que no campo da arquitetura e do urbanismo significava, de um lado, a publicação da Carta de Atenas, de Le Corbusier e de Can our cities survive?,  de Josep Lluis Sert – duas versões para as atas do mesmo encontro, o CIAM (Congresso Internacional da Arquitetura Moderna) de 1933.Foi nesse contexto que cresceu Robert Venturi, que se formou arquiteto summa cum laude (a maior das honras) pela Universidade de Princeton em 1947 e em 1950 recebeu seu MFA (Master of Fine Arts) pela mesma universidade.

O programa educativo em Princeton nestes anos foi um fator chave no desenvolvimento de Venturi e de sua abordagem da teoria da arquitetura e design, oriunda de umaanálise da história e não de estilismos.
Ao contrário da maioria dos cursos de arquitetura do país que, baseados no modelo da Bauhaus – vale lembrar as presenças de Walter Gropius e Mies van der Rohe no ensino superior nesse período – Princeton não havia excluído, nem tampouco minimizado, a importância das disciplinas de história da arquitetura em seu currículo.
Em 1951 Venturitrabalhou brevemente com Eero Saarinen em Bloomfield Hills, Michigan. Foi premiado em 1954 com o Rome Prize Fellowship na Academia Americana em Roma, através do qual estudou e excursionou pela Europa durante dois anos.
A Itália do pós-guerra também havia sido um campo fértil para a crítica ao modernismo desde o CIAM de Bergamo, em 1947. Para a delegação italiana que organizou o encontro, o grandetema era a remodelação de Milão, que incluía como novidade a restauração de seu centro histórico, tema que não fazia parte das preocupações centrais dos arquitetos modernos e que na Itália do pós-guerra assumiu importância cada vez maior.
O tema do CIAM seguinte, em 1951, foi “O coração da cidade”, e os sub-temas anunciavam a mudança de foco: “centros para a vida comunitária”, “raízeshistóricas do centro”. No final dessa década aconteceu a inauguração de Brasília, cidade planejada de acordo com os princípios modernistas Corbusianos e que chegou junto com as mais severas críticas ao modernismo até então.
Ou seja, ao contrário do que muitos crêem, a crítica ao chamado movimento moderno começou em seu interior, ganhou novos adeptos após a dissolução dos CIAM (em 1959) eadquiriu força no início da década de 1960. Depois de presenciar toda essa discussão filosófica que acontecia na Europa, no seu retorno a terra natal, começou a trabalhar com Louis Kahn, um dos pioneiros do modernismo.

De 1954 a 1965, Venturi atou na Universidade da Pensilvânia, inicialmente como professor assistente de Kahn, instrutor e, posteriormente, como professor adjunto. Em 1960 eleconheceu a arquiteta e urbanista Denise Scott Brown, membro do corpo docente da Universidade de Princeton e que viria a ser sua esposa. Em 1960 Venturi fundou, com William Short, o escritório Venturi and Short. John Rauch substituiu Short como sócio em 1964, mudando o nome do escritório para Venturi and Rauch. Três anos mais tarde, em 1967, o nome do escritório mudaria novamente com a entrada deDenise, passando a chamar Venturi, Rauch and Scott Brown.


Crítico controverso do alegre funcionalismo e do vácuo de simbolismos do modernismo na arquitetura corporativa durante a década de 1950, Venturi foi considerado um contra-revolucionário. Publicou seu “gentil manifesto” ‘Complexidade e Contradição em Arquitetura’ em 1966, descrito, na introdução de Vincent Scully, como sendo...
tracking img