Riscos do lixo a saude humana

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 13 (3007 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 12 de setembro de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
EXT. ETEC GILDO MARÇAL BEZERRA BRANDÃO

LIXO

1º Módulo

JULIANA CRISTINA DE SOUZA BORGES

São Paulo - Agosto de 2011

TRABALHO REFERENTE
LIXO QUE POSSA TRAZER DANOS AO MEIO AMBIENTE E A SAÚDE HUMANA

Trabalho apresentado à Ext. Escola Técnica Gildo Marçal Bezerra Brandão na disciplina de Economia eMercado, sob a orientação do Professor Rogério.

São Paulo – Agosto de 2011
ÍNDICE

Trabalho de Economia e Mercado

Introdução 4
O Termômetro 5
Danos a saúde e ao meio ambiente 7
Procedimentos se um termômetro quebrar13
Conclusão 15
Referências Bibliográficas 16

INTRODUÇÃO

O trabalho a seguir tem como principal objetivo explicar a fundo sobre o termômetro clínico. Irei exemplificar qual material pesado que compõe o mesmo que possam trazer danos ao meio ambiente e a saúdehumana.
A partir do desenvolvimento dos objetivos acima, espero corresponder ao que foi encarregado no relatório de trabalho.

O Termômetro
 
Medir a temperatura do corpo humano, da atmosfera ou de qualque outra substância, é hoje, brincadeira de crianças. É suficiente munir-se de um termômetro e pô-lo em contato com o corpo ou com a substância de que se quer se conhecer a temperatura. Fácil,não? Mas não foi tão fácil, porém, chegar a conceber e realizar esses simples mas preciosos aparelhos, que são os termômetros, que requerem, agora, uma construção cuidadosa e de alta precisão.
O primeiro termômetro foi idealizado por Galileu Galilei, no início do século XVII, mas, antes de surgir um termômetro um pouco semelhante aos de hoje, passou-se mais de um século, e foi o físico GabrielDaniel Fahrenheit quem o realizou. Atualmente, os termômetros mais difundidos são aqueles de mercúrio, que derivam do termômetro de Fahrenheit.
Para explicar o funcionamento de um termômetro, é preciso saber que todas as substâncias, quando adquirem calor, ou seja, quando aumentam de temperatura, dilatam-se, crescem de volume e, quando perdem calor, restringem-se. Este fenômeno pode ser mais oumenos evidente, segundo as várias substâncias: se nos servirmos de uma substância em que o fenômeno da dilatação seja mais marcante, poderemos medir a quantidade da dilatação ou da restrição pondo-a em contato com um corpo de temperatura diversa, e conhecer, assim, a temperatura deste último corpo.
Isto é justamente o que acontece com o mercúrio contido no pequeno bulbo que forma a ponta dotermômetro clínico, que possuímos em casa: pondo o bulbo em contato com o nosso corpo, que é de temperatura superior à do mercúrio, este se dilata e se expande ao longo do único caminho da saída que se encontra, ou seja, ao longo do ubinho situado ao centro da escala graduada. O mercúrio expande-se proporcionalmente à quantidade de calor que lhe é transmitida e daí, a um certo ponto, pára. emcorrespondência àquele ponto, pode-se ler a temperatura do nosso corpo, medida com a dilatação do mercúrio. Com isso, parece bem claro como a medida da temperatura é uma medida relativa, isto é, obtida fazendo-se a relação entre as temperaturas de duas substâncias. Os graus da escala termométrica que nós usamos são chamados centígrados, porquanto vão de zero a cem, e estes dois valores correspondem àtemperatura da água, quando se torna gelo e quando ferve, se transformando em vapor.
Fabricar um termômetro é, aparentemente, fácil e podemos fazê-lo até nós mesmos; é preciso ter uma pequena bolha de vidro. Ao tubinho, unimos, solidamene, uma hastezinha de metal ou de outro material, na qual se assinalam os graus. Imergimos a bolha, contendo o mercúrio, numa mistura de água e gelo: o mercúrio não se...
tracking img