Resumo

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 2 (478 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 11 de julho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
“A criança que nasce e se cria na favela conhece do mesmo jeito que a criança de classe média (ou alta)? (ou inverter as classes.) A criança do meio rural aprende do mesmo jeito que a criança do meiourbano? Explique!”. Temos de um lado, teorias que afirmam que a criança vítima da pobreza e, a fortiore, da miséria, é afetada na sua capacidade de aprendizagem: a marginalização socioeconômica,especificamente a desnutrição, provocaria na criança prejuízos ou déficits comprometendo sua situação na psicogênese das funções cognitivas. De outro lado, temos teorias que afirmam que a pobreza e mesmoa miséria, especificamente a desnutrição, não causam prejuízos na psicogênese das funções cognitivas da criança; esta conservaria intacta sua capacidade de aprender, pois sua interação com asubcultura na qual está imersa garantiria a evolução normal de suas funções cognitivas. Vejamos as respostas dos docentes às perguntas da pesquisa. A professora universitária de historia, ensinando para alunosde classe média, predominantemente média baixa, afirma que: “A criança conhece do mesmo jeito, mas coisas diferentes. O processo é o mesmo”. A professora de educação física de primeiro grau, decolégio de periferia, afirma: A criança da favela não se alimenta como a criança de classe média, ou de classe alta, acho que desde aí já começa a diferença entre um e outro.” Não se pode afirmar que estesdepoimentos erram no diagnostico cognitivo de crianças originárias de diferentes contextos socioeconômicos. O que acontece é a falta quase total de uma visão geral do problema. Se os pais de umacriança são inteligentes, ela também será? Se os pais são débeis mentais, que comportamento manifestará a criança? Por quê? Visa essa parte da pesquisa melhor clarear as relações entre hereditariedade emeio, nos depoimentos dos docentes, como fatores determinantes da psicogênese. O professor de educação física, 34, diz: “ Não necessariamente, mas acho que estimula uma pessoa inteligente que vai...
tracking img