Resumo do livro bom crioulo autor: adolfo caminha

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1339 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de junho de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
Resumo
Bom Crioulo, de Adolfo Caminha

Bom Crioulo narra a história de um marinheiro, negro, trinta anos, fugitivo de alguma fazenda, na qual até então, vivia como escravo. Ele é Amaro, descrito pelo autor Adolfo Caminha como um “latagão de negro, muito alto e corpulento”. Tanto sua aparência forte, quanto sua natureza tempestuosa, são enfatizadas, diversas vezes, pelo autor ao longo danarrativa.
Amaro trabalha em uma Corveta, em alto-mar, juntamente com dezenas de outros marinheiros, oficiais, Imediato, Tenente, Comandante do navio etc.
No início da trama, Bom Crioulo sofre um castigo: é amarrado e leva cento e cinqüenta chibatadas sem expressar nenhuma dor, permanecendo firme até o último golpe.
Esse homem viril conhece um marinheiro de graduação inferior naarmada, chamado Aleixo, muito jovem, quinze anos de idade, branco, de olhos azuis e, imediatamente, é despertado por desejos voluptuosos, ainda não experimentados por ele, em relação a outro homem.
Bom Crioulo começa a se aproximar como amigo do Grumete, pois é assim que ele passa a chamar Aleixo, querendo demonstrar seu desejo de protegê-lo contra quem quer que o queira fazer algum mal, eaté toma uma surra por isso, a mesma narrada no início da história, porque queria demonstrar ao menino até onde poderia chegar àquele grande zelo que tinha por ele, para que Aleixo confiasse e se sentisse em dívida com Amaro. Então, com essa finalidade, Bom Crioulo esmurra, impiedosamente, um segunda-classe que maltratara Aleixo.
Ambos trabalhando no mesmo navio e com oportunidade para seaproximar cada vez mais de Aleixo, numa noite, Bom Crioulo, enfim, consuma seu desejo carnal em relação ao Grumete, com o consentimento deste.
O negro, apaixonado pelo menino, planeja agora amigar-se a ele logo que o navio atracar no cais do Rio de Janeiro. E é o que fazem assim que desembarcam. Os dois vão à Rua da Misericórdia, onde mora uma amiga de Bom Crioulo, que aluga quartos num “sobradinho” muito simples. Essa dona do estabelecimento é D. Carolina, uma senhora de trinta e oito anos de idade, que conhecera o Amaro, quando ele a salvou de uns bandidos que queriam levar-lhe as únicas jóias que restavam-lhe de “ lembrança dos bons tempos” e desde então nasceu a amizade entre os dois.
D. Carolina alugou aos marinheiros um quarto, “espécie de sótão” para que eles pudessem seencontrar, enquanto a Corveta estivesse atracada e, portanto, com folgas disponíveis nos trabalhos da marinhagem o suficiente para ficarem dias em terra, no “sobradinho”.
Aleixo e Amaro ficaram quase um ano vivendo naquele quartinho do jeito que desejavam, numa vida sossegada, na qual eles podiam desfrutar de toda privacidade para gozarem do “amor” que havia entre os dois. Porém, com opassar dos meses, os trabalhos de manutenção na velha Corveta foram terminando e surgiu a possibilidade de Bom crioulo ser transferido para outro navio, longe de Aleixo.
De fato, o negro foi mandado para trabalhar no “couraçado”, um outro navio.Como marinheiro, devia se submeter às ordens de seu Comandante porém, antes de ir, não deixou de advertir ao Grumete quanto ao seu comportamento longedele, numa demonstração de ciúme e desconfiança quanto ao futuro incerto do relacionamento dos dois, agora trabalhando em navios distintos, seria difícil encontrarem-se oportunamente na Rua da Misericórdia. E foi com grande pesar que Amaro se separou de “seu Aleixo”.
Já no dia seguinte, como combinaram, Aleixo retorna ao quarto do “sobradinho” para encontrar Amaro, mas ele por lá não aparece.Grumete espera-o a tarde toda, mas o negro não comparece ao encontro. Nesta parte da trama, Aleixo já passa a demonstrar que se cansara de se relacionar com Bom Crioulo, pois é o que diz á D. Carolina, na mesma tarde, enquanto conversam no quarto dele.
A mesma, talvez aproveitando-se dessa afirmação do Grumete, passa a tratá-lo com esmero, guardando-lhe doces, guloseimas, cuidando de suas...