Resenha violencia contra a mulher

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1185 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 6 de maio de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto
[pic]
UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA – UNISUL
ROZANE CARVALHO












PROTEGENDO AS MULHERES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA














TUBARÃO
2012
ROZANE CARVALHO
















PROTEGENDO AS MULHERES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA



Resenha Crítica do Artigo “Educação, relações de gênero e diversidadesexual, do autor Nilson Fernandes Dinis, proposta pela Professora da Disciplina de (nome da disciplina).

Professora Roseli Pasim




TUBARÃO
2012
PROTEGENDO AS MULHERES DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA




Além de abordar de maneira específica a violência contra a mulher, o artigo “Protegendo as mulheres da violência doméstica” também põe em pauta a violência familiar, que atinge,além das mulheres, os filhos, que, segundo dados de abril de 2012, divulgados pelo Ligue 180 (Central de Atendimento à mulher), em 65,9% dos casos de violência doméstica denunciados, são testemunhas do ato e em 24,5% também são vítimas.
Blay (2003) afirma que a violência de gênero é um problema mundial e antigo:


AGREDIR, matar, estuprar uma mulher ou uma menina sãofatos que têm acontecido ao longo da história em praticamente todos os países ditos civilizados e dotados dos mais diferentes regimes econômicos e políticos. A magnitude da agressão, porém, varia. É mais freqüente em países de uma prevalecente cultura masculina, e menor em culturas que buscam soluções igualitárias para as diferenças de gênero. Organismos internacionais começaram a se mobilizarcontra este tipo de violência depois de 1975, quando a ONU realizou o primeiro Dia Internacional da Mulher. Mesmo assim, a Comissão de Direitos Humanos da própria ONU, apenas há dez anos, na Reunião de Viena de 1993, incluiu um capítulo de denúncia e propõe medidas para coibir a violência de gênero.


A violência doméstica é um problema social que afeta todas as camadas da sociedade etodos os países do mundo. O Brasil apresenta números alarmantes neste sentido. Dados de 2010, da Fundação Perseu Abramo (FPA), afirmam que acontecem, no Brasil, a cada dois minutos, cinco espancamentos de mulheres e de cada dez assassinatos de mulheres, sete são provocados por alguém pelo qual a vítima possui algum sentimento de afeto, como marido, ex-marido, namorado, ex-namorado, etc.
Sãovários os tipos de abusos sofridos pelas vítimas de violência doméstica, sobretudo as mulheres. Há o abuso físico, o sexual, o psicológico e o econômico, sendo este o mais complexo de compreender, pois se trata de atos como negação de dinheiro, comida e necessidades básicas, além de controle financeiro e proibição de trabalhar.
No abuso econômico – neste caso em se tratando de uma escalaglobal – ainda há o fato citado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD) realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de que o salário dos indivíduos de sexo masculino, ainda que exercendo a mesma função, é 32,9% maior em detrimento do feminino. Isto não se encaixa nos termos judiciais da violência doméstica, no entanto, é uma forma de compreender que os homensainda têm seu papel extremamente valorizado em relação às mulheres, mesmo após anos de luta dos movimentos feministas e com a Constituição Federal afirmando que todos os indivíduos são iguais perante a lei, sem distinção, inclusive, de gênero.
Com todo este sofrimento das mulheres por serem submetidas às vontades dos homens desde sempre, a FSP (Faculdade de Saúde Pública da Universidade deSão Paulo) alarma para um fato interessante: os homens são mais felizes que as mulheres. No ranking de felicidade da FSP, os homens casados vêm em primeiro lugar, seguidos pelos homens solteiros. As mulheres solteiras ocupam o terceiro lugar e a lanterna fica para as mulheres casadas. Isto gera um questionamento interessante: por que os homens casados são os mais felizes e as suas mulheres as...
tracking img