Resenha do livro de rubem fonseca

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1012 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 10 de maio de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Colégio Estadual Rio Branco.
Aluna: Cristiano Benedito lauro
Prof.ª: Josiane
Disciplina: Português
Atividade: Resenha do Livro Agosto de Rubem Fonseca

O livro de Rubem Fonseca é um romance policial. Ocorreu em agosto de 1954, o livro apresenta momentos históricos daqueles episódios, que levaram no suicídio de Getúlio Vargas.

Simultaneamente à narrativa da crise que levaria Getúlio aosuicídio, provocada pela tentativa de assassinato de Carlos Lacerda, o autor desenvolve a história ficcional ao redor do personagem central do romance: o comissário Alberto Matos.
Agosto de 1954, caos e escândalos políticos aparecendo diariamente nas páginas dos jornais. Getúlio Vargas, Presidente da República, começa perder sua popularidade.
Gregório Fortunato - chefe da guarda pessoal de Vargas- consciente de que o jornalista constitui uma ameaça, planeja um atentado contra a sua vida.
São crimes que cercam a vida do Comissário Mattos.
O atentado a Lacerda fere um coronel da Marinha; explodem manifestações na imprensa e nas ruas. O povo exige explicação do governo.
O Comissário tem uma única pista do assassinato do milionário: um anel dourado e alguns pêlos de negro no sabonete dobanheiro. Suas namoradas, Salete e Alice, no seu pé, perturbam-no. Alice, casada com um rico empresário,
Pedro Lomagno, desabafa seu drama: diz que seu marido tem uma amante, Luciana Aguiar, viúva de Paulo Gomes Aguiar, o homem cujo assassinato é investigado por Mattos.

Após descobrir que o anel não pertence a Gregório Fortunato, a suspeita recai
sobre Chicão. Pedro sente a pressão doComissário e manda Chicão eliminá-lo.
Vargas marca uma reunião com os ministros no Palácio do Catete. Cada ministro faz a sua análise da situação política nacional.

Ao final, o Presidente, cansado, solitário e deprimido, sobe para a ala residencial do Palácio e decide "sair da vida para entrar na História". Mattos entrega-lhe o anel. Ao final do romance, temos uma quantidade de elementos: a corrupçãopolicial, as negociatas políticas no Senado e na Câmara, a compra de favores. A derrota do único honesto, o Comissário Mattos, é sinal da impossibilidade de existir algum vestígio de honestidade naquele meio.

A última página do livro diz que "a cidade teve um dia calmo", apenas dois dias após a turbulência da morte de Getúlio Vargas.
Em relação aos acontecimentos políticos do ano em questão, olivro resgata o início do fim do já desgatado governo Vargas e das corrupções que nele ocorriam. Este início foi marcado pelo famigerado atentado da rua Toneleros, na qual o alvo era o jornalista Carlos Lacerda, maior opositor ao governo de Getúlio Vargas. Lacerda sai apenas ferido do atentado, enquanto que o major Vaz, da Aeronáutica, que o acompanhava, morre.
A aeronáutica resolve fazer umainvestigação paralela à da polícia e consegue descobrir e prender o atirador, Alcino, o motorista do carro e Climério, subchefe da segurança do Palácio do Catete. Através deles chegam ao mandante do crime, Gregório Fortunato, o Anjo Negro, chefe da guarda pessoal de Getúlio Vargas.
Raimundo, porteiro do edifício Deauville, abandona a portaria de madrugada. O comissário Alberto Mattos encontrou umanel de ouro com a inicial "F" gravada no banheiro da empresário morto. O chefe da guarda pessoal de Getúlio programava um atentado contra Carlos Lacerda.
Paulo Gomes Aguiar era casado com Luciana e esta era amante de Pedro Lomagno. Pedro era casado com Alice.

Inicialmente, Mattos acha que o anel era de Gregório Fortunato, depois descobriram que era de um negro por causa dos pelos encontrados nosabonete.
Gregório era o mandante da Rua Tonelero, onde Climério, Alcino e o taxista Nelson estavam envolvidos. Alcino, ao invés de matar Lacerda, acabou matando o Major Vaz.
Os aliados de Lacerda estavam fazendo o povo acreditar que foi Getúlio Vargas que mandou matar o Major Vaz.

Todos os policiais recebiam dinheiro dos banqueiros do bicho para que os bicheiros não fossem presos. Pádua...
tracking img