Resenha Critica do Livro " O Príncipe" de Maquiavel

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 5 (1116 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 9 de novembro de 2013
Ler documento completo
Amostra do texto

“O Principe”

O Príncipe" sintetiza o pensamento político de Maquiavel. A obra foi escrita durante algumas semanas, em 1513, durante o exílio de Maquiavel, que tinha sido banido de Florença, acusado de conspirar contra o governo. Mas só foi publicada em 1532, cinco anos depois da morte do autor.
Como tinha sido diplomata e homem de estado. Maquiavel conhecia bem os mecanismos e osinstrumentos de poder. O que temos em "O Príncipe" é uma análise lúcida e cortante do poder político, visto por dentro e de perto.
Com um estilo elegante e direto. Suas partes são bem organizadas, tanto na apresentação quanto na distribuição dos temas.
O procedimento principal do narrador é comparar experiências históricas com fatos contemporâneos, a fim de analisar as sociedades e a política. Emalgumas passagens, o próprio autor se torna personagem das situações que.descreve.

Podemos dividir a obra política de Maquiavel em quatro partes: classificação dos Estados; como conquistar e conservar os Estados; análise do papel dos militares e conselhos aos políticos para manutenção do poder.
“O Príncipe”  se refere a um guia de como chegar ao poder e se manter nele. A obra não busca um ideal, de“como deveria ser”, mas trata do real, “como realmente é, esta obra não só dita os caminhos como também os exemplifica. Mesmo sendo escrito no século XVI “O Príncipe” se torna muito atual,pois representa as ações de diversos políticos perante ao seu governo.
Maquiavel foi o primeiro Filosofo a analisar sistematicamente as condições necessárias para o poder e a sobrevivência. O Príncipe é umlivro sobre poder, “o poder” político em um momento em que cidades-estados ou principados são governados por homens chamados príncipes.
Em XXVI Capítulos curtos, Maquiavel faz uma analise sobre o Governo destes, que tinham o poder de uma sociedade em suas próprias mãos. Escrito em 1513 ele foi escrito para chocar as pessoas, e ainda provoca certas discuções, mesmo com o passar do tempo.

Maquiaveldescreve como os poderosos comandavam, controlavam e mantinham o seu povo sobre controle. Ele apresenta os problemas e as dificuldades de um principado, e isso tudo é demonstrado de uma forma que parece não haver solução. Porém, logo em seguida ele apresenta não só a solução para os problemas como também conselhos, os quais o governante deve seguir se quiser ser bem sucedido. 
Maquiavel descreveque existem dois tipos de principados, o hereditário e o adquirido, e aponta quais são as duas formas de como o governante chegam ao poder. Os principados ou são hereditários, quando por muitos anos os governantes pertencem à mesma linhagem, ou foram conquistados e fundados recentemente. Entretanto ele adverte que aqueles que se tornaram príncipes pela fortuna têm muita dificuldade para se manterno poder. Porém, a fortuna e o valor não são as únicas formas de se tornar príncipe. Existem outras duas: pela maldade e por mercê do favor de seus conterrâneos. 
Como ser Amado?
Antes de mais nada o Príncipe deve saber lutar, deve saber ser cruel e impiedoso, deve mentir, quebrar suas promessas e estar pronto para violar sua moral e princípios se for necessário, embora muitas vezes sejanecessários parecer piedoso, compassivo, defensor da moral e flexível.
“O Príncipe portando não deve-se incomodar com a reputação de cruel, seu propósito deve ser manter o povo unido e leal.”
Em “O Príncipe”, Maquiavel prega que aqueles que querem praticar a bondade está fadado a sofrer, pois são poucos entre muitos que fazem o mal, ele afirma que nada adianta para um príncipe, ter seus objetivosligados a bondade, se seus cidadãos pregam o mal, sendo assim agradar a todos da sociedade fica praticamente inviável.
Maquiavel deixa claro que o príncipe deve preferir ser amado e temido ao mesmo tempo, mas diz que como é uma combinação muito difícil deve se optar ser temido por segurança, segundo Maquiavel o povo tem o direito de escolher a que amar, mas têm de obedecer às vontades de seu...
tracking img