Recensao critica

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3366 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 22 de abril de 2011
Ler documento completo
Amostra do texto
ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM
MESTRADOS EM ENFERMAGEM
CIENCIAS SOCIAIS E HUMANAS

[pic]

Liliana Isabel Ferreira Borges

SANTARÉM
JULHO, 2010

ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE DE SANTARÉM
MESTRADOS EM ENFERMAGEM
CIENCIAS SOCIAIS E HUMANAS

[pic]

Liliana Isabel Ferreira Borges

Professor Orientador:
- Cláudia Urbano

SANTARÉM
JULHO, 2010

Dantes a medicina não salvavatantas vidas mas a mão que tocava o doente era uma mão quente, segura. Hoje, é um mundo de máquinas, uma ficção científica administrada por homens. Um dia, sentiremos a mão de metal de um robot apalpando o corpo? Desumano, eficaz, certeiro, infalível. Frio.

ALVES (2000)

INDICE

0 - INTRODUÇÃO 7
1 - SABERES DO POVO: TRATAR, PREVENIR OU SIMPLESMENTE CUIDAR? 8
2 - CONSIDERAÇÕESFINAIS 13
BIBLIOGRAFIA

SIGLAS

OMS – Organização Mundial de Saúde
OE – Ordem dos Enfermeiros

ARTIGO: “ Cuidar e Prevenir. Os saberes familiares, tradicionais e medicinais acerca da saúde doença.”

AUTOR: Dina de Carvalho

ANO: 2004

FONTE: Actas do V Congresso Português de Sociologia - Sociedades Contemporâneas - Reflexividade e Acção: Universidade do Minho– Braga

OBJECTIVO DO ESTUDO: apreender os modos como a famílias investem nos cuidados de saúde e doença, visando a prevenção ou a cura quando a situação assim o exige e ainda perceber os saberes familiares, tradicionais e medicinais mobilizados neste sentido

METODO: Qualitativo – biografias familiares

INSTRUMENTO: Entrevista

0 - INTRODUÇÃO

No âmbito da Unidade Curricular deCiências Sociais e Humanas, inserida no plano de estudos do 1º ano, 2º semestre, do Curso de Mestrado em Enfermagem Comunitária da ESSS, pretende-se a elaboração de uma recensão crítica com base num texto fornecido pela docente. Este documento visa sobretudo tratar-se de um instrumento crítico, reflexivo e facilitador da aprendizagem, através de uma análise baseada na integração dos conhecimentosadquiridos na disciplina e contributos na área da especialidade.
Estar doente é mais do que uma condição biológica, é um estado social. A saúde, a doença e processos de cura são construções sociais, resultantes de um sistema complexo que integra factores biológicos, socioeconómicos, culturais, psicossociais e religiosos, que permeiam o contexto da história de vida das pessoas e exercem marcadainfluência nas suas atitudes. Como nota NUNES:
“Postula-se o respeito pelo doente e pelas suas (…) superações do paradigma estritamente biomédico, que inspirou a sua formação por um alargamento da visão da saúde e da doença, fundado no conhecimento das práticas e dos padrões culturais que dominam a comunidade onde se trabalha” (1997, p.233).
Apesar dos reconhecidosprogressos da medicina oficial, a atribuição conferida pelos utentes aos seus “males” continua embebida em velhos sistemas de crenças populares. A OMS (2002) designa por medicina tradicional o conjunto de conhecimentos teóricos e práticos, explicáveis ou não, utilizados para o diagnóstico e tratamento de doenças, transmitidos verbalmente ou por escrito de uma geração a outra.
Nas páginas quese seguem será analisado o texto supramencionado o qual espelha a importância das redes sociais na saúde das populações e revela o contributo das ciências sociais e humanas para a compreensão da saúde, da doença, dos processos de procura de saúde, das terapêuticas e dos “terapeutas”.
O presente trabalho resulta de uma interiorização de práticas e mobilização de conteúdos e, para tal, foinecessário recorrer à consulta de alguns documentos online, revistas e material de apoio das aulas. Está dividido em três partes: a parte introdutória, o corpo ou desenvolvimento (onde será feita a reflexão critica do texto) e as considerações finais. Por uma questão de sigilo e ética profissional, será atribuída uma letra do alfabeto para identificar os intervenientes mencionados ao longo deste...
tracking img