Psicologia no transito

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 14 (3485 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 26 de outubro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
FACULDADE EVANGÉLICA DE TAGUATINGA

CURSO: LETRAS, LICENCIATURA.

-

PSICOLOGIA DO TRÂNSITO

TAGUATINGA-DF
2012

FACULDADE EVANGÉLICA

A PSICOLOGIA DO TRÂNSITO
Trabalho Apresentado em exigência a disciplina de Psicologia do 1º Semestre no curso de Letras. Professora Mônica Chaves
Alunos: Aline Soares, Charles Silva Lima, Ciléia Brito Koguta, Vanessa Almeida e Rayanne Da Silva.Taguatinga – DF
2012
1. Introdução

A psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano e seus processos mentais. A história da psicologia, cuja etimologia deriva de Psique (alma) + logos (razão ou conhecimento), se confunde com filosofia a instigante investigação da alma humana. até meados do século XIX, Sócrates,Platão e Aristóteles deram o pontapé inicial n
O fato é que no final do século XIX, os acadêmicos da época resolvem distanciar a Psicologia da Filosofia e da Fisiologia, dando origem ao que se chamou de Psicologia moderna. Os comportamentos observáveis passam a fazer parte da investigação científica em laboratórios com o objetivo de se controlar o comportamento humano. Nesse sentido, os teóricosobjetivam suas ações nas tentativas de construir um corpo teórico consistente, buscando o reconhecimento, enfim, da Psicologia como ciência.
É neste cenário investigativo que surgem três correntes teóricas: o Funcionalismo, o Estruturalismo e o Associacionismo. No inicio do século XX, surgem mais três correntes principais, que por sua vez originaram a diversidade de correntes psicológicas, queconhecemos hoje: Behaviorismo, Gestaltismo e Psicanálise.
No início do século XX, os primeiros automóveis e caminhões começaram a circular no Brasil. Era início de um projeto coletivo em que o transporte rodoviário assumiria um papel fundamental nos deslocamentos. A locomoção em massa de bondes e trens foi lentamente substituída pelo uso do automóvel, fruto de opções de políticas urbanas na esferafederal e estadual, e da pressão das elites da época que apoiavam a indústria automobilística do país (lagonegro, 2008).
Embora a produção e o uso em massa do automóvel tenham contribuído sobremaneira no desenvolvimento econômico do país, engendrou sérios problemas de segurança e saúde pública. Existe um ramo da psicologia que estuda analisa os comportamentos humanos em função de normas ou leis quebuscam a segurança e a integridade de todos que se locomovem.
Os engenheiros (considerados os “primeiros psicólogos do trânsito”), formou-se um campo de trabalho e uma área de atuação profissional que posteriormente viria a ser chamada de Psicologia do Trânsito ( Mange, 1956; Rozestraten).
O DETRAN foi criado em 21 de setembro de 1966, pelo Decreto-Lei nº 5.108 que instituiu o segundo CódigoNacional de Trânsito. Em 23 de fevereiro de 1967, aquele decreto foi modificado pelo Decreto-Lei nº237, sendo efetivamente regulamentado em 16 de janeiro de 1968, por meio Decreto-Lei 62.127. Em função dessa nova organização do sistema de trânsito, cada estado brasileiro procedeu á criação do seu DETRAN, seja pela estruturação do serviço que outrora não existia, seja pela reestruturação do serviçoadministrativo de trânsito existente. Esta modificação ocorreu na maioria dos estados nas décadas de 1960 e 1970.
De acordo com aquela regulamentação, os Departamentos de Trânsito deveriam dispor de um conjunto de serviços a fim de realizar suas atribuições, dentre eles o serviço médico e psicotécnico. Esta exigência reconheceu a importância dos fatores psicológicos na segurança viária,principalmente para serem avaliados no processo de habilitação; além do mais, ampliou o mercado de trabalho para o psicólogo, cuja profissão havia sido regulamentada em 1964.
No perímetro urbano das cidades são realizadas milhares de viagens por dia com motivos e meios de transportes variados, no decorrer destas viagens as pessoas no trânsito mudam seus objetivos, ora desejam segurança, acessibilidade,...
tracking img