Problemas sociais no rio de janeiro

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 7 (1586 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 7 de novembro de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
Rio de Janeiro
Problemas Sociais

O Rio de Janeiro é a segunda maior metrópole do País. É a cidade brasileira mais conhecida no exterior e maior rota do turismo internacional no Brasil.
Desigualdade Social
Porém, o Rio não é só lembrado pela sua extraordinária beleza natural e a exuberância da cultura popular. A cidade também é marcada por contrastes extremos, um reflexo da altíssimadesigualdade social existente. Os grandes problemas sociais do Rio de Janeiro refletem no abismo entre os mais ricos e os mais pobres, e sua proximidade em determinadas áreas geográficas.
Todo esse abismo de desigualdades gera muitas outras dificuldades que sentimos no dia-a-dia da cidade. A violência, a criminalidade, o tráfico de drogas, a corrupção de policiais, as deficiências nos sistemas desaúde, educação e transporte fazem parte dos problemas do carioca.
Segurança, violência e criminalidade
Desde meados dos anos 1990, em decorrência da violência urbana, o Rio vem conquistando espaço na imprensa nacional e internacional nos últimos anos. A cidade apresenta índices elevados de criminalidade, em especial, o homicídio. Entre 1978 e 2000, quase 50 mil pessoas foram mortas no Rio, amaioria vítimas do narcotráfico, assaltos ou balas perdidas. Há uma grande concentração de homicídios de adolescentes, idade de maior risco dentro do tráfico de drogas e que mais sofre com a violência policial.
A polícia do Rio de Janeiro também é demasiadamente violenta; em 2006 matou 1 063 pessoas no estado, sendo 1.195 apenas em 2003. Até abril de 2007, a média era de 3,7 por dia. A título decomparação, a polícia dos Estados Unidos matou apenas 347 pessoas em todo o território estadunidense ao longo de 2006. Os policiais recebem em média R$ 874 por mês, ou o equivalente a quase R$ 10.500 em um ano. Baixos salários e equipamentos insuficientes fazem com que a polícia carioca consiga resolver apenas 3% de todos os assassinatos ocorridos na cidade.
Entretanto, pesquisas recentes demonstramque a violência urbana vem caindo na cidade, sobretudo nos últimos anos. O "Mapa da Violência dos Municípios Brasileiros”, divulgado em 2008, revelou que no Rio de Janeiro a taxa geral de homicídios por cada 100 mil habitantes retrocedeu 40% entre 2002 e 2006, levando-o da 4ª para a 14ª posição no ranking das capitais mais violentas do Brasil. O sistema de indicadores feito pela organização ‘RioComo Vamos’ também confirma que a cidade teve uma queda no número de crimes fatais, que incluem lesão corporal seguida de morte e latrocínio. Em 2008, o índice foi de 35 casos para cada cem mil habitantes.
No entanto, apesar da salutar redução dos índices de criminalidade, o Rio ainda ocupa o segundo lugar com relação ao total de homicídios ocorridos em 2006, atrás apenas de São Paulo.
Aviolência existente na cidade não é causa dos problemas enfrentados, e sim a consequência deles.

Saúde
Segundo informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o Rio de Janeiro dispunha de um total de 2087 estabelecimentos de saúde em 2009, sendo 189 públicos e 1898 privados, os quais dispunham no seu conjunto de 20 756 leitos para internação, sendo que mais da metade são privados.
Oprefeito Eduardo Paes conseguiu deixar a saúde carioca uma desgraça e que quem diz isso é o Ministério da Saúde.
No Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde (IDSUS), divulgado em março desse ano (2012), o Rio de Janeiro figura como a capital com a pior avaliação. A nota do município foi 4,3 em uma escala de 0 a 10. UMA VERGONHA!
A nota do Rio não dá nem para ficar em recuperação, éreprovado direto. E a desculpa dada? É que são dados de até 2010 e que em 2011 o investimento aumentou… como dizem,  “ahã, senta lá Cláudia”.
Em uma entrevista dada ao RJ TV no dia 02/03/2012, o prefeito mostrava sua a total falta de noção. Eduardo Paes falava uma sequência de besteiras, falava mal do ministro, dizia que usou dados somente de 2010. Mas ele já era prefeito nessa época. Reclamou também...
tracking img