Preconceito linguistico

Disponível somente no TrabalhosFeitos
  • Páginas : 6 (1421 palavras )
  • Download(s) : 0
  • Publicado : 17 de junho de 2012
Ler documento completo
Amostra do texto
HÁ PRECONCEITO LINGUISTICO EM SEU ENTORNO SOCIAL?: UMA QUESTÃO DE REGIONALIDADE
Renato de Menezes Pereira, cursando Licenciatura em Geografia.
E-mail: trab.renato@hotmail.com
RESUMO:
Este artigo tem como objetivo informar as pessoas sobre o preconceito linguístico, e conscientiza-las a não tomar essas atitudes que são mal pensadas, pois não é justo corrigir pessoas, ou ignora-las por nãoterem a oportunidade de aprender a norma culta. Este trabalho tem suma importância no meio educacional, pois apresenta algumas sugestões para que possamos erradicar esse preconceito da nossa região, e quem sabe do nosso país. O desenvolvimento desse artigo traz entre outras coisas, uma pesquisa realizada com dez pessoas do nosso entorno social, e apresenta resultados interessantes. O objetivo maiordeste trabalho torna-se com uma pequena atitude, começar a acabar com o preconceito linguístico.
Palavras chave: Preconceito linguístico. Pesquisa. Oportunidade.
1-INTRODUÇÃO
O preconceito linguístico resume-se como um julgamento depreciativo contra determinadas variedades linguísticas. Ele ocorre de varias formas, mas uma das principais formas de preconceito é contra o sotaque nordestino, apronuncia errada das palavras e contra sotaques com gírias, que normalmente vem de classes sociais mais baixas, o objetivo da pesquisa que foi realizado era saber se existe o preconceito linguístico em nosso entorno social, a pesquisa teve um resultado interessante, que comparado ao nível nacional tem um final divergente, pois na nossa pesquisa 80% dos entrevistados afirmaram não ter preconceitolinguístico. Podemos deduzir que pelo menos em nosso entorno social, talvez pelas pessoas serem a grande parte da mesma classe social, o preconceito realmente não é muito alto.

2.1-PRECONCEITO LINGUISTICO NOS DIAS ATUAIS
Atualmente, podemos perceber o preconceito linguístico de varias formas em nosso entorno social, confesso que já cometi o preconceito linguístico varias vezes, por essa razãoafirmo que esse preconceito é uma questão de regionalidade que se aplica a muitas pessoas, vou explicar por que: sou natural de São Paulo-SP, paulistano da gema como dizem, nasci e vivi treze anos da minha vida em são Paulo, estou morando em Pernambuco há apenas cinco anos, logo quando cheguei, só vivia corrigindo as pessoas, e achava que por falar um sotaque paulista, mais valorizado, falavacorretamente, em um período aproximado de um ano, meu pensamento era esse, mas depois desse determinado tempo, com a convivência com essas pessoas de outra cultura, percebi que não existe essa tal linguagem certa, existem sim, erros nas falas de qualquer região brasileira, mas a norma culta uma vez aprendida, também valera para todas as regiões, independente de sotaques.
Segundo Bagno (2007) em Seulivro Preconceito Linguístico o que é, e como se faz. :
O preconceito linguístico se baseia na crença de que só existe,
Como vimos no Mito n° 1, uma única língua portuguesa digna deste
Nome e que seria a língua ensinada nas escolas, explicada nas
Gramáticas e catalogada nos dicionários. Qualquer manifestação
Linguística que escape desse triângulo escola-gramática-dicionário é
Considerada, sob aótica do preconceito linguístico, “errada, feia,
Estropiada, rudimentar, deficiente”, e não é raro a gente ouvir que
“isso não é português”.
É esse pensamento que devemos erradicar da nossa sociedade e das nossas escolas, eu acho que deveria ser criado um programa para capacitar melhor os professores do primário, onde ocorre uma das fases mais importantes das crianças, para que os professorespossam passar para as nossas crianças que é preciso aprender sim a norma culta, mas não se pode tentar acabar com a cultura de um povo que vem de tantos antepassados, essa cultura deve permanecer, e deve ser repassada para que nunca deixe de existir. Em nossa cidade temos um grande exemplo disso, reside na cidade em que moramos os índios Fulni-ô, esses índios mesmo se misturando com os brancos,...
tracking img